A última carta do baralho

Como prometido, para acabar em grande a série Anna Karina, e em rigoroso exclusivo no nosso país (porque tenho a certeza que nenhum dos 38.192 gajos que viram este video antes no Youtube era português, visto que o próprio maradona desconhecia que houvesse bocadinhos de cinema francês à minha espera no Youtube), um grande documento cinematográfico: o anúncio de 22′ de 1959 ao Mon Savon que, praticamente, criou a Nouvelle Vague, porque atrás de um grande homem há sempre uma grande mulher, e atrás do Godard havia a Anna Karina, e a vontade de filmar a Anna Karina, e de mostrar a Anna Karina ao mundo, e a Anna Karina conheceu-a o Godard quando escolhia sabonetes, e quando escolhia o Mon Savon que era o melhor de todos. E pronto, acabou – em Outubro de 2011 haverá uma nova retrospectiva, talvez de cinema dinamarquês dos anos 20.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to A última carta do baralho

  1. Vladimir diz:

    Il n’est pas comme les autres, diz Anna Karina. E em Godard há God.

  2. a anarca diz:

    LOL
    atrás de um grande homem está sempre uma mulher*
    *essa mulher é a mãe e nunca a esponja
    LOL
    o godard era um pretensioso

Os comentários estão fechados.