Foi-se com o Bieito (II)

Actualização do postado antes.

A Igreja pede ajuda económica aos empresários para sufragar os custos da visita do pastor alemão.

E atenção que na carta comunicam que o pilim enviado é considerado como doação, “sendo aplicados os benefícios fiscais correspondentes” (esta gente sabe como chegar aos corações dos empresários).

Pois isso que os 1.5 milhões de euros para “logística” não chegam. Claro, um gajo começa a encarregar bandeirinhas e o dinheiro foge…

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Foi-se com o Bieito (II)

  1. Pingback: Foi-se com o Bieito (III): o que não se pode dizer | cinco dias

Os comentários estão fechados.