“Sejam MÉDIOS e APENAS DECENTES, sejam como eu, o deputado Miguel Vale de Almeida” (2)

File:Joseph Mallord William Turner 081.jpg
J M W T

Um curso mais recto na vida tomarás, Licínio,
se o mar alto não sempre acometeres, ou se,
por prudente medo de tempestades, da perigosa costa
     não te aproximares demasiado.

Quem quer que a áurea justa medida [aurea mediocritas] ame
a são e salvo à miséria se esquivará
de uma casa em ruínas, e sóbrio evitará
     o palácio que causa inveja.

Um alto pinheiro é mais frequentemente
pelos ventos fustigado, as excelsas torres
de mais alto caem, e os raios ferem
     os montes mais elevados.

(…)

(Sim, sim, como já alguém referiu, e bem, vem a propósito esta famosa décima ode do Livro II de Odes de Horácio: é que depois do estrangulamento económico dos fracos, apenas resta o contentamento com a oferta da mediocridade; uma oferta da boa vontade dos mais fortes que deve ser exaltada. Nada a ver com o belíssimo poema citado, claro.)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to “Sejam MÉDIOS e APENAS DECENTES, sejam como eu, o deputado Miguel Vale de Almeida” (2)

Os comentários estão fechados.