Greve geral na Espanha

Celso Emilio Ferreiro escreveu em 1962 o livro “Longa noite de pedra”. Nele, este poema que passou a ser da gente.

MONÓLOGO DO VELLO TRABALLADOR

Agora tomo o sol. Pero até agora
traballei cincoenta anos sin sosego.
Comín o pan suando día a día
nun labourar arreo.
Gastei o tempo co xornal dos sábados,
pasou a primavera, veu o inverno.
Dinlle ao patrón a frol do meu esforzo
i a miña mocedade. Nada teño.
O patrón está rico á miña conta,
eu, á súa, estou vello.
Ben pensado, o patrón todo mo debe.
Eu non lle debo
nin siquera iste sol que agora tomo.
Mentras o tomo, espero.

Parte da culpa da popularidade do poema é da versão que fez o Pucho Boedo (aquela voz que de ter nascido em New York e não na Corunha daria lições ao Sinatra).

A restante culpa vem de que o que diz o poema é verdade.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Greve geral na Espanha

Os comentários estão fechados.