Cavaco fora de Belém, revisitado

Há cinco anos atrás participei num blog colectivo enfaticamente intitulado Cavaco Fora de Belém. O seu texto «fundador» merece ser, aqui, recordado:

Fazemos parte de uma geração que nasceu politicamente com Cavaco Silva como Primeiro-Ministro. Organizámos e participámos em manifestações, vigílias e reuniões por um mundo que sabíamos não dever ser dominado por um gestor iluminado que com discursos de rigor escondia o desenhar da crise em que continuamos a viver. Porque temos memória, não esquecemos Cavaco, tal como não esquecemos os seus ministros. Não esquecemos as violentas cargas polícias sofridas, pelas escadarias da Assembleia da República e dentro das Universidades. Não esquecemos o spot da TSF que, da ponte 25 de Abril, lançava o grito para que “gajos ricos, gajos pobres”; se juntassem. Não esquecemos os políticos que Cavaco formou e que o continuaram; Durão Barroso, Santana Lopes, Valentim Loureiro, Isaltino Morais ou Alberto João Jardim. Não esquecemos em Cavaco, o contínuo desrespeito por tudo o que era cultura, arte ou memória. E também não esquecemos aquele dia em que Cavaco perdeu e que nos deixou recentrarmo-nos em torno das nossas vidas. Fomos desobedientes naquela altura e agora torna a ser necessário voltar a sê-lo!

Comigo, neste «projecto» estavam, entre outros, o Tiago Mota Saraiva e o Zé Nuno, sócios e camaradas desta tasca.

A história é do conhecimento geral, a Esquerda desmultiplicava-se em candidaturas e Cavaco passeava-se pelo país, sendo recebido por um povo sem memória do que haviam sido os anos do «cavaquismo». Entre os escribas daquele blog encontravam-se apoiantes de Alegre, de Jerónimo e de Louçã. A esta distância não me recordo da existência de apoiantes de outras candidaturas. Unia-nos a vontade, clara, de manter Cavaco afastado da Presidência da República.

Há cinco anos apoiei Alegre. Há cinco anos considerava imprudente a proliferação de candidatos à Esquerda de Cavaco. Muitas vezes li e ouvi que estava errado. Quantos mais melhor. Assim se garantirá a derrota de Cavaco na segunda volta. Foi o que se viu.

Cinco anos depois mantenho as mesmas posições. Não por teimosia mas, principalmente, por continuar a acreditar nelas. Continuo, inclusivamente, a considerar que Alegre não é um candidato perfeito. Não o era há cinco anos. Não o é hoje. Mas é, certamente, melhor que Cavaco.

Se atentarmos ao que se tem escrito neste e noutros blogs de gente de Esquerda sobre as presidenciais, rapidamente chegamos a uma conclusão: há muito mais «material» a menorizar (para não dizer outra coisa) a candidatura de Manuel Alegre do que a louvar outro candidato ou a criticar Cavaco.

De igual modo, paira uma sombra sobre todos eles. O «preferido» dos que já afirmaram ir votar em branco ou nulo é, claramente, Carvalho da Silva. Não restem dúvidas de que tenho pelo Secretário-Geral da CGTP uma grande admiração. Mas Carvalho da Silva não se apresentou (e não se vai apresentar) a votos. E se o tivesse feito não estaria, com certeza, isento de críticas.

Hoje, como há cinco anos, mantenho uma vontade firme: é preciso derrotar Cavaco. E, meus amigos, com votos brancos e nulos não vamos consegui-lo.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

40 Responses to Cavaco fora de Belém, revisitado

  1. Abilio Rosa diz:

    Sr.Carlos Guedes:

    Tenho uma solução para a sua angústia politico-existencial.

    Vote convictamente em Francisco Lopes e tenho a certeza que o Sr. estará a contribuir para a derrota de Cavaco Silva.

    Perante a perigosidade da eventual vitória de Cavaco Silva, muitos socialistas e muitos apoiantes de Manuel Alegre, continuem em insistir no «voto útil» no «seu candidato».

    Então, por que é que em 2005/2006, os mesmos socialistas, bloquistas e alegristas não se entenderam para uma candidatura comum?

    E já agora, se Francisco Lopes passar à 2ª volta (o que não é impossível!), será que os socialistas do PS e os «sucialistas» do gang socrático, iriam votar em Francisco Lopes, ou iriam preferir o Cavaco?

    Fica aqui esta questão para ser exorcisada pelos sacerdotes do bardo.

  2. Carlos Guedes diz:

    Sr. Abílio Rosa, não tenho qualquer tipo de «angústia politico-existencial». Nem sei onde isso transparece no texto que talvez tenha lido. A haver angústia ali, só na parte em que refiro que este povo não tem memória do que foram os anos do cavaquismo.
    De resto, no meu voto mando eu. Há-de reparar que não faço aqui qualquer tipo de apelo ao voto em Manuel Alegre. Faço uma ligeira (ligeiríssima) análise do que aconteceu há cinco anos e do que está a acontecer agora.
    O Chico Lopes teria o meu voto se passasse à segunda volta. Seria para mim o que terá sido para si votar em Soares em 1986: tapa-se o nome e põe-se a cruzinha. Seria um voto muito convicto, de qualquer forma. Convicto de que estaria, dessa forma, a contribuir para a derrota de Cavaco Silva.

  3. filipe diz:

    já estou a ver o filme em 2011/2012… o Passos Coelho como a terrível ameaça fascista (até já disse que queria o CDS no governo dele, mesmo que o PSD tenha maioria absoluta) e o PS a guinchar que “VOTO ÚTIL para derrotar “A DIREITA” são eles (António Costa, António José Seguro ou seja lá quem for, será com certeza profundamente obediente ao sistema económico dominante/asfixiante).
    Que legitimidade terá o BE para chamar ao voto da população para si, em vez do “VOTO ÚTIL” no PS, quando numa coisa estruturalmente menos importante, a presidência, se aliou ao PS para derrotar “A DIREITA”?

  4. miguel diz:

    Gostei muito do blog

    Se não se importa aproveito para promover o meu recente blog onde exponho os meus desenhos http://www.thesearemydrawings.blogspot.com
    vejam e comentem

    obrigado

  5. Carlos Guedes diz:

    Filipe, está a fazer misturas que não se devem fazer. As legislativas nada têm a ver com as presidenciais e assumir que sim é querer lançar a confusão.
    O BE, tal como o PCP, terá toda a legitimidade para apelar ao voto para impedir a formação de uma qualquer maioria. Seja do PS, seja dos partidos à sua Direita.
    Nas presidenciais importa mesmo derrotar o candidato da Direita. E não ver isso é não ver o fundamental.

  6. Carlos Guedes, a menos que a virgem reapareça e haja um ou mais milagres a minha previsão é que indo lá ou não indo, ‘a coisa’ já tem dono.

    Fica pr’a próxima…

    Just an educated guess, como dizem ali os américas

    🙁

  7. Tiago Mota Saraiva diz:

    Carlos, tal como várias vezes afirmei em 2006 e agora, não acho que a proliferação de candidaturas à esquerda beneficie Cavaco.
    Quanto a pôr Cavaco fora de Belém, continuamos de acordo!

  8. Carlos Guedes diz:

    Não tenho qualquer dúvida em relação a isso, Tiago! (Quanto a quereres pôr o Cavaco fora de Belém, claro está! :D)

  9. o da boa-fé diz:

    Sr. Carlos Guedes,

    Acompanhe-me por favor nestas imagens e no imprevisto crescendo que elas não deixam de sugerir: Alegre “é certamente melhor que Cavaco”, Obama é certamente melhor que Bush, Rui Patrício é certamente melhor que Roberto, o DN é certamente melhor que o 24Horas, morrer atropelado por uma bicicleta é certamente melhor que morrer trucidado por um comboio.

    Responda-me agora: será que o facto de ser “certamente melhor que Cavaco” justifica o apoio à candidatura de Alegre por parte de alguém que acredita na legitimidade de se construir outro mundo e outras relações sociais?

    Não será o seu argumento paupérrimo? Mau de mais para constar nestas páginas?

    Com que mundo sonha afinal você?

  10. koshba diz:

    E eu,votar no garrafão de Águeda é que não!Foda-se,portantos,ou so that(para estar ao lado dos ignaros amaricanos e estar uptodate,com a falsa inteligentzia bacoca portuga q faz questão de dizer Roliúde) vou votar em branco na segunda volta ,ie, se os broncos habitantes deste tugúrio votarem maciçamente logo à primeira,saudosos de gentalha cavaquista que tanto têm gamado

  11. Carlos Guedes diz:

    Morrer é morrer e pronto. Seja de que forma for.
    O facto de Alegre ser melhor que Cavaco não é o único motivo que me leva apoiá-lo. Até porque, na minha humilde opinião, Alegre não é, apenas, melhor candidato que Cavaco. É melhor que todos os outros que se apresentam a eleições.
    Sonho com um mundo diferente, para melhor, deste em que vivemos. No futuro próximo isso passa, também mas não só, por retirar Cavaco Silva do lugar que ocupa.
    Os argumentos podem ser pobres, paupérrimos mesmo, mas sê-lo-ão sempre, quando não estamos a querer convencer ninguém de coisa nenhuma. O que, neste caso, significa que não estou a tentar convencer quem quer que seja a votar em Manuel Alegre. Apenas pretendo demonstrar que um voto em branco ou nulo é mais um voto em Cavaco.

  12. Orlando diz:

    A minha duvida persiste. Quem será o candidato da direita ? Sempre preferi lutar politicamente, claro está, contra aqueles que se assumem com ideias claras e divergentes das minhas e que à partida sei sempre o que pensam e o que se pode esperar deles. Nunca gostei de pessoas que se dizem uma coisa e depois, na prática, fazem outra completamente diferente. Gosto de seres humanos íntegros que não escondam aquilo que são. Afinal de contas a democracia não está a ser posta em causa. E se caso o Cavaco não tivesse ganho à 5 anos, não creio que Alegre fizesse melhor do que ele, bem pelo contrário. Cavaco foi sem duvida o melhor presidente para o PS, assim como o seria o Alegre, com algumas diferenças, diferenças no estilo, ou na prática, talvez até mais arrogante (que é isso que eu acho do Alegre), para mim sempre se revelou um homem muito pouco coerente, entre o que apregoa e o que faz na prática. Conscientemente e com muita convicção., votarei em Francisco Lopes, e deixo aqui uma pergunta, e se por acaso ele passar a uma 2ª volta, teria o apoio da esquerda que apoia agora Alegre??? Será que o candidato Alegre apelaria ao voto no candidato Francisco ?? E o BE daria o seu apoio ao candidato do PCP ??? o que faria o PS ????
    Acho graça, aos senhores comentadores que vêm dizer que o PCP é um partido que nunca tenta fazer consensos, que é um partido sectário e isolado da realidade. Não penso que o seja, a realidade provou-o ao longo dos anos, sempre foi um partido patriótico. que esteve e está ao lado do povo. Em determinadas alturas, escolheu quem devia escolher, hoje não existe o perigo que existia, o papão do “fascismo” já não pega. Por esse motivo penso que o candidato Francisco Lopes tem boas hipóteses de obter um bom resultado e vai por certo calar muita boa gente cá do burgo.
    E desconfio sempre, quando certos sectores da sociedade se preocupam com o PCP, desconfio sempre da sua boa vontade, por isso penso que o caminho escolhido é o mais correcto.

  13. JB diz:

    Prefiro votar em «carácter».
    Talvez em Nobre.

  14. Carlos Guedes diz:

    Orlando, pela minha parte já sabe com o que pode contar. Se ler uns comentários mais acima verá que assumi que votaria no Chico Lopes se ele passasse à segunda volta. Sem problemas. E você? Votaria em Alegre numa segunda volta?

  15. LAM diz:

    Tiago, sou da mesma opiniao. Ate que me provem o contrario, acho que havendo mais candidaturas a esquerda, todas vao concorrer para retirar percentagem ao candidato da direita. Ha muitos eleitores de esquerda que, de outra forma, ficariam em casa. Mais, acho que ainda ha espaço e seria util o aparecimento de outra candidatura que abrangesse algumas franjas da esquerda.

    (desculpem o texto sem acentos mas estou com o teclado marado).

  16. Joao Torgal diz:

    A importância desta eleição não é apenas derrotar Cavaco, mas derrotar a direita, em que Sócrates se inclui (ou, repito, no campo dos aldrabões desprovidos de ideologia). Acontece que, se Alegre quis o apoio de Sócrates (que acabou por conseguir), que definitivamente não é de esquerda, votar em Alegre não é contribuir para derrotar a direita. Tao simples quanto isto.

    P.S. Foi o mesmo tipo de argumento que deu a vitória ao PS em Setembro, que fez com que muitos dos que criticaram este pseudo-partido socialista tivessem envergonhadamente acabado por lhe dar o seu voto.

  17. LAM diz:

    Alegre nao e pior ou “menos de esquerda” do que outros candidatos que “as esquerdas” apoiaram noutras presidenciais. Quem engoliu Mario Soares, Eanes ou Sampaio nao tem muitos argumentos para apoucar agora Manuel Alegre.

  18. Muito bem.

    É necessário não perder de vista a prioridade: derrotar Cavaco.

  19. xatoo diz:

    lindo, lindo, o idealismo do Carlos Guedes: “Sonho com um mundo diferente, para melhor, deste em que vivemos” (com o Manuel Alegre, claro) qual a diferença entre os dois mundos, o de Cavaco e o de Alegre. Que escolha?
    Cavaco envia tropas para o Afeganistão, Iraque e para onde mais se verá… (e a remuneração desta empreitada é uma das causas do agravamento “dramatizado” do défice)
    Alegre é a favor da criação de uma força militar da CPLP para intervir sabe-se lá onde e com que causas (que não sejam neo-colonialistas)
    O que é um facto é em ambos os casos, uma politica não invalida a outra; de uma ou de outra forma, para sustentar as gordurosas elites que o país não pode sustentar tanto Cavaco como Alegre têm de apoiar o imperialismo na sua via de intervenções militarizadas…
    Com os economistas de topo (Krugman incluido) a teorizarem sobre uma segunda depressão em curso a solução é a guerra (como em 1933 com Roosevelt)
    alistar-se nas forças armadas são os prometidos empregos (com salários assegurados) a criar que irão haver por aí
    uns milhões de mortos depois o sonho do Carlos Guedes é capaz de ter botas para andar…
    http://port.pravda.ru/busines/26-08-2010/30271-dupla_recessao-0

  20. Leo diz:

    O Carlos Guedes que agora choraminga: “Se atentarmos ao que se tem escrito neste e noutros blogs de gente de Esquerda sobre as presidenciais, rapidamente chegamos a uma conclusão: há muito mais «material» a menorizar (para não dizer outra coisa) a candidatura de Manuel Alegre do que a louvar outro candidato ou a criticar Cavaco.”

    É exactamente o mesmo Carlos Guedes que em 24 de Agosto apontava: “A escolha, pelo PCP, de Francisco Lopes para candidato a Presidente da República deixa bem claro o que já só alguns poderiam duvidar. Naquele «comboio» só mesmo os mais «puros» dos «puros» têm lugar. Cá estaremos, no final, para julgar o acerto desta escolha. A meu ver é a pior de todas as escolhas possíveis…”.

    Sem comentários.

  21. M. Abrantes diz:

    Ainda bem que alguma esquerda dá uns tiraços nos pés da candidatura de Alegre. Porque, observando não mais de 5 segundos alguma direita, até parece que Alegre colhe apoiantes em todo o espectro político.

    Se a hipótese de Alegre vencer remete para a mais pura depressão nacional, o voto em Cavaco está longe, [c’um catano, então não está?], de ser uma opção confortável.

  22. Carlos Guedes diz:

    Mas Leo, devia comentar em vez de se limitar a descarregar fel. É um facto que escrevi o que refere, a 24 de Agosto. E não voltei a escrever sobre o assunto. E, se ainda não reparou devia ter reparado, até já escrevi nesta caixa de comentários que seria capaz de votar no Chico numa segunda volta.

  23. Leo diz:

    “E não voltei a escrever sobre o assunto.”
    Ai não? Pois se logo passados dois dias, a 26 de Agosto já se queixava: “O homem só é candidato há três dias e já teve direito a quatro fotografias aqui na tasca!”

    E, graficamente, de forma bastante deselegante, por sinal… basta clicar para confIrmar:

    http://5dias.net/2010/08/26/para-desenjoar/

  24. Carlos Guedes diz:

    Leo, repito: não voltei a escrever sobre o assunto.
    Se não consegue entender o que refere como uma brincadeira então estamos conversados.

  25. Leo diz:

    “Leo, devia comentar em vez de se limitar a descarregar fel.”

    Entendamo-nos Carlos Guedes: exactamente como escreve o que bem lhe apetecer (nos posts e comentários) eu também só escrevo o que entendo.

    A diferença principal é que eu procuro ser objectivo e tento não cavalgar clichés e preconceitos, teses e repetições, estereótipos e carimbos. Tento somente dar a minha opinião da forma mais clara e decentemente possível.

  26. Leo diz:

    “Se não consegue entender o que refere como uma brincadeira então estamos conversados.”

    Se aquilo era uma brincadeira, o mais que posso dizer é que a brincadeira não teve piada nenhuma e fede.

    Mas não é brincadeira nenhuma. É tão somente uma peça inseridas numa operação mais vasta que visa diminuir a candidatura de Francisco Lopes, ocultar o seu projecto, impedir que a discussão se faça em função do que ela é e do que propõe ao País.

    E pior, uma peça cujo autor andou activamente a promover a candidatura de Alegre há cinco anos atrás e continua agora a fazê-lo, achincalhando a candidatura de Francisco Lopes.

  27. Carlos Guedes diz:

    Leo, tenho mais que fazer do que lhe aturar os delírios. Se há uma «operação mais vasta que visa diminuir a candidatura de Francisco Lopes» (provavelmente comandada pela CIA) eu não a integro. Tratando-se de quem se trata é uma candidatura que se auto-diminui!

  28. Leo diz:

    “Hoje, como há cinco anos, mantenho uma vontade firme: é preciso derrotar Cavaco. E, meus amigos, com votos brancos e nulos não vamos consegui-lo.”

    Mas pensa lá chegar avacalhando a candidatura de Francisco Lopes, não é verdade, Carlos Guedes? Por pura brincadeira, claro. E sozinho.

  29. Carlos Guedes diz:

    Sozinho vai o Leo ficar a falar… Já dei para o seu peditório! Passe bem.

  30. Leo diz:

    O Carlos Guedes há “cinco anos considerava imprudente a proliferação de candidatos à Esquerda de Cavaco”. E por isso não apoiou nenhum dos candidatos apoiados pelo PS, BE e PCP. Cinco anos depois apoia o candidato do PS e BE e acha que a candidatura de Francisco Lopes “é uma candidatura que se auto-diminui”.

    E ainda tem a lata de me acusar de delírio. Não espanta que dê de frosques…

  31. pedro diz:

    “desmultiplicava-se” – que rico português!

  32. Abilio Rosa diz:

    Só existe uma solução: votar Francisco Lopes, um candidato jovem e na posse total das suas faculdades mentais.

    Cavaco e Alegre estão velhos, esquecidos, rabujentos. São passado.
    Os dois têm um grande «passado» à sua frente…

  33. Leo diz:

    Rotular o seu como “não é, apenas, melhor candidato que Cavaco. É melhor que todos os outros que se apresentam a eleições” é duma pobreza arrepiante só comparável a classificar a “pior de todas as escolhas possíveis”, a candidatura de Francisco Lopes, sem se dignar explicar as razões para qualquer das etiquetas.

    Presumo que a candidatura de Cavaco agradece.

  34. Ricardo diz:

    É de facto trágico que alguém da sua geração tenha por Carvalho da Silva a maior admiração.

    Daqui a 5 séculos ninguém se vai lembrar de Carvalho da Silva. Cavaco, pelo contrário, já entrou na história. Imagino o enorme desconforto que isto lhe causa.

  35. Carlos Guedes diz:

    Pedro, em caso de dúvidas pode sempre consultar um dicionário antes de vir escrever palermices. Como já vi que não sabe, «desmultiplicar» significa dispersar. Como não deve acreditar no que escrevo, convido-o a visitar este link http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=desmultiplicar e, em seguida, a vir aqui apresentar o devido pedido de desculpa. Serão bem aceites.

  36. Carlos Guedes diz:

    Ricardo, não sei se Carvalho da Silva quer ou não entrar na história. Mas, no passado e no presente, tem-se batido por um futuro melhor. E eu admiro isso. Com certeza que não está de acordo, mas não vejo nisso grande tragédia.
    Tem razão numa coisa, Cavaco causa-me desconforto. Há muito tempo. Não por ir ficar na história, mas por ter entrado nela. Afinal de contas, se hoje estamos como estamos devemo-lo, também, ao homem do bolo-rei. Também não concordará, mas não ver isso é que é verdadeiramente trágico!

  37. Areias diz:

    Carlo Guedes, alguma razao para me ter <>?

    Admiro o que vai escrevendo por aqui mas fico triste por me <>.

  38. POR ABRIL... diz:

    … Voto à esquerda, Voto FRANCISCO LOPES!
    SÓ!
    Contra Cavaco, contra a direita!
    Tudo o resto… não passa de charlatanice.
    Passem Bem, Caríssimos!

  39. Ricardo diz:

    Carlos,

    “Ricardo, não sei se Carvalho da Silva quer ou não entrar na história. Mas, no passado e no presente, tem-se batido por um futuro melhor. ”

    Não conheço ninguém para quem esta afirmação não seja verdadeira. Cavaco também se tem batido por um futuro melhor. Simplesmente, Cavaco tem conseguido aquilo porque se bate. Carvalho da Silva, não.

    Se algum dia chegarmos a esse futuro melhor, será pelo caminho de Cavaco, não pelo outro.

  40. Carlos Guedes diz:

    Areias, pode ser mais específico? Não consigo compreender do que se queixa…

Os comentários estão fechados.