ALEGRE! ALEGRE! ALEGRE!

Os alegristas andam doidos. Incapazes de provar que quem está com Alegre não está com Sócrates, passam ao ataque dizendo que quem não está com Alegre está com Cavaco. Uma boa síntese mas uma má estratégia para defender o indefensável.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

26 Responses to ALEGRE! ALEGRE! ALEGRE!

  1. Quanto a mim, há muito tempo que alegre se fez triste

    Daqui não leva nada.

    É pena que a alternativa seja o camarada Cavaco, que vai ficar com aquilo by default.

    🙁

  2. D. Nicola diz:

    Renato, Renato, Renato.

    Já alguém se interrogou sobre o porquê dos posts dedicados a desancar Alegre ou o BE (fulanizado no DO) ultrapassarem largamente (em número “pornográfico, como diria o outro) o somatório daqueles que fazem a apologia a F. Lopes ou a desmontar Cavaco?

    O C.Vidal vai tentando disfarçar a “coisa” (freud talvez tivesse um melhor termo para issso) com postas à la sector intelectual sobre Baudelaire, Badiou ou Godard por entre o débito de ódio pelo DO, L. Raínha e Alegre. O Renato já não disfarça nada.

    E que tal uma apologia para variar o estilo? (não vale usar Cuba, Coreia do Norte nem Irão como bom exemplo, não porque não o sejam, mas porque já o fizeram demasiadas vezes antes)

  3. LAM diz:

    Quanto mais se fala nesta merda das presidenciais mais se perde a perspectiva do que na realidade está em causa. E eu não acho que esteja em causa nada assim de tão importante. Não são as legislativas, trata-se tão só de eleger um banana que, constitucionalmente, pouco mais pode fazer do que o que chamam “magistratura de influência”, termo com uma piada do caralho, forma elevada e distinta de coçar os tomates.
    Apesar disso, as cartas postas na mesa, e partindo do princípio que nada de relevante se passará com algum coelho tirado da cartola à última hora, era o tempo das esquerdas fazerem uma introspecção para perceber o que correu mal: se foi a ausência de candidatos disponíveis ou ausência de formas de entendimentos. Ou as duas.

  4. MB diz:

    É preferível ter um presidente escritor e poeta do que um “velho” jarreta que a única coisa que sabe fazer é perguntar aos velhinhos que idade têm. Se resulta terem 91, diz assim “Faltam apenas nove para os cem”. Se resulta encontrar uma criança com um nome igual ao dos seus netos, logo diz assim “temos uma neta com esse nome”.
    Eu sei que Manuel Alegre não reune consensos, nem à esquerda, nem à direita, mas é o candidato que escreveu “Cão como nós”, como também escreveu “Alma” e defende os livros e a cultura. Preferimos este candidato como presidente ou aquele que anda de aldeia em aldeia, vila em vila, a perguntar aos velhinhos “Que idade tem?” Queremos um escritor como presidente ou a continuação de outro que apenas lê os estractos das contas bancárias?

  5. Renato Teixeira diz:

    D Nicola, Cavaco é claro. É o candidato da direita. Não tem o que desmontar. Francisco Lopes é o candidato do aparelho que não recolhe o meu apoio nem o meu entusiasmo. Também não o que tornar claro para lá da análise do discurso patriótico que já foi sendo abordado.

    Alegre, Sócrates e Louçã sim, querem atirar areia para os olhos e isso merece toda a análise e toda a atenção.

    MB, nenhum candidato que agrade a Sócrates é preferível.

    LAM, não podia concordar mais com o seu comentário. Destaco este convite à reflexão: “era o tempo das esquerdas fazerem uma introspecção para perceber o que correu mal: se foi a ausência de candidatos disponíveis ou ausência de formas de entendimentos. Ou as duas.”

    Do meu ponto de vista, faltou a segunda. Se BE e PCP se tivessem colocado de acordo sobre Carvalho da Silva estou certo que ele estaria disponível para avançar. Não lhe parece?

  6. Eu até recuperaria o meu cartão de eleitor e votaria no Carvalho da Silva, mas tenho a impressão que ele nunca esteve p’raí virado…

    🙁

  7. LAM diz:

    Sim. Penso que se tivesse havido sérias vontades (aqui o “sérias” é muito importante), poderia ser que se encontrassem razões que forçassem uma candidatura de Carvalho da Silva (apesar de que, como diz James Cook, ele não parecesse muito para aí virado).

    E isto (a pouca vontade de Carvalho da Silva em assumir uma candidatura), denota um outro problema, talvez fruto do ancestral sectarismo das esquerdas: a dificuldade, num país de 10 milhões de habitantes, de encontrar nomes consensuais, com a visibilidade requerida para o efeito, capazes de assumir uma candidatura. É que a dificuldade em estabelecer pontes também denota algum pauperismo político ao, chegados aqui, haja apenas um único nome “viável” que nos ocorra. É pobre (mas diz muito sobre o ostracismo e anquilosamento da esquerda).

  8. Renato Teixeira diz:

    LAM, claro que o importante nem é o nome, mas a ausência de uma campanha movimentista, capaz de gerar algo de novo além da merda do costume.

  9. Renato Teixeira diz:

    António Cunha, vá para o Arrastão que aqui ninguém o atura.

  10. Abílio Rosa diz:

    Não vamos ser cúmplices na manobra de «inocentação» de Manuel Alegre.

    Alegre é membro do Partido Socialista. Esteve ao lado de José Sócrates nas últimas eleições apelando ao voto no actual primeiro-ministro.

    Contemporizou com as politicas mais ferozes, neo-liberais e até socialmente terroristas dos Governos de José Sócrates.

    E quando não contemporizava não votava contra essas politicas e muito menos vinha apoiar o campo daqueles que estavam a lutar pelos direitos dos trabalhadores e do interesse da população em geral.

    Nesta luta, Manuel Alegre fugia sempre com o rabo entre as pernas.
    ´
    Podemos dizer que Manuel Alegre, aquando da agudização dos ataques da maioria absoluta socretina aos direitos sociais e sindicais , ele desertou do campo de batalha.

    Com que moral vem ele agora falar em «estado social» e de «ética republicana»?

  11. Rui F diz:

    “camaradas, ponham a mão na frente do candidato mas ponham lá uma cruz”
    Alvaro Cunhal, referindo-se à 1ª eleição de Soares.

    Era o pseudo ditador, Freitas do Amaral o opositor de Soares.

  12. Rui F diz:

    Renato

    o Lopes agradece a quem?
    a ninguém? è mentira!

  13. MB diz:

    Caro Renato Teixeira, nem mesmo um candidato escritor e que leia? Por acaso, já leu o livro “Cão como nós”? É preferível um candidato que saiba ler e até escrever do que um candidato com sintomas de velhice, como o Cavaco que confunde Thomas More com Thomas Mann e até trepa ao coqueiro para a fotografia.
    Analisemos os candidatos e vejamos as possibilidades que cada um tem de ganhar… O resultado que temos é o Cavaco em primeiro e o Alegre em segundo. Qual dos dois é preferível como presidente?
    Manuel Alegre.

  14. Renato Teixeira diz:

    MB, recito-lhe dois comentários de dois leitores-comentadores da posta do PJV. Estão lá praticamente todas as razões:

    Comentário de Orlando
    Data: 14 de Setembro de 2010, 9:46

    Manuel Alegre nunca foi de esquerda. Mas será que se esquecem de que ele durante mais de trinta anos pactuou sempre com os sucessivos lideres do PS, que fizeram politicas de direita e deixaram o país neste estado. Mas que raio de homem é este que nunca marcou uma posição clara, e já que dizia muitas vezes (agora não diz) que não concordava com a politica seguida pelos governos PS, porque não saiu de militante ? Seria ou não mais coerente com aquilo que dizia pensar ?
    O meu candidato será naturalmente o Francisco, esse é o único que para mim fará a diferença. Espumem da boca, digam o que disserem, o Alegre não é mais que a continuação de algo que temos à mais de 30 anos, é um candidato situacionista, e neste momento há que dizer verdade e apontar novas soluções para os problemas. Não é com ideias “velhas” que vamos lá.
    Além de mais sou muito ecologista e por acaso como muita pouca carne e não gosto de determinados desportos em que andem a matar por prazer.
    Como referi anteriormente, Alegre para mim nem na primeira nem na segunda.

    Comentário de Vitor Ribeiro
    Data: 14 de Setembro de 2010, 10:50

    O meu ‘problema’ com Alegre, em quem votei nas últimas presidenciais, é o seu duplo mortal com pirueta à retaguarda que o levou de volta aos braços de Sócrates. Ou seja, já dei para esse peditório.
    Francisco Lopes, com todo o respeito, é um candidato paroquial, pois pese embora todas as qualidades que possa ter, não é candidato capaz de atrair eleitorado menos identificado com o ideário comunista e ‘escaldado’ com os exemplos práticos que a história nos legou. E então quando ele me é apresentado como ‘puro e duro’, desculpem-me mas eu vou ali e venho já – gente ‘pura e dura’ é gente enquistada em certezas inabaláveis e incapaz de descobrir caminhos alternativos para um mesmo destino.
    Aquele em quem votaria sem pestanejar era o Carvalho da Silva, pois creio que seria um candidato que, sem perder de vista um conjunto de princípios que me parecem fundamentais (razão bastante para votar nele), me parece mais capaz de perceber uma caminhada de muitos quilómetros começa apenas com uns poucos pequenos passos…
    Se Cavaco ganhar, não vou ficar com peso na consciência por não ter votado com tanta Alegria. Fico é frustrado por não ver sinais da esquerda com que me identifico ser capaz de passar do registo paroquial, da troca azeda de galhardetes e da pura marcação de território para um registo mais racional que olhe aos interesses e expectativas de todos e não apenas de alguns, do seu partido e da sua estratégia particular.

  15. Renato Teixeira diz:

    Rui F, o Lopes agradece evidentemente ao Comité Central.

  16. Rui F diz:

    LAM e Renato

    Sindicalista por sindicalista, melhor mesmo seria candidatar o melhor de todos: António Chora. Só que aqui o PCP não queria, claro.

    Carvalho da Silva abespinha-se com facilidade e é muito irritadiço. Além disso uma parte do Bloco (apoiantes não aderentes) não estaria com ele assim como parte do PS não Socratico nem Soarista.
    Não há consenso há Esquerda nem daqui a meia dúzias de gerações, pelo simples facto que ela não sabe negociar no campo das cedências. A Co habitação é como um casamento que se quer longo: Faz-se por cedências e aluns acordos. Sendo à Esquerda, a ética seria fundamental.

    O único partido que tem alguma experiência na matéria é o Bloco de Esquerda que conseguiu unir 2 ou 3 partidos e diversas tendências. Todas elas tiveram discernimento e capacidade de cedência.

  17. LAM diz:

    Rui,

    ahh…ehhh….errr….(eu estava a falar de alguém de esquerda….)

  18. Renato Teixeira diz:

    Indeed!

  19. MB diz:

    Caro Renato Teixeira, infelizmente não existe nenhum candidato Carvalho da Silva à presidência. Este é ainda o secretário geral da CGTP.
    Por agora, temos 4 candidatos: Cavaco, Alegre, Francisco Lopes e o ex-AMI (que não entendo o que está nesta campanha a fazer).
    Portanto, temos dois candidatos posicionados para vencer as eleições: Cavaco e Manuel Alegre.
    Quanto ao Francisco Lopes, simpatizo muito com a sua candidatura, mas será este candidato capaz de encher o pavilhão Atlântico, como conseguiu o Jerónimo de Sousa fazer? Duvido. Mesmo enchendo o pavilhão, Jerónimo alcançou os 10%
    O Manuel Alegre é complexo. Admito que sim, mas tem o apoio do PS e do BE. Pode ainda conseguir os votos de uma certa camada popular que não se mete em política, mas não está para ver o Cavaco como presidente.
    Nas últimas eleições, recorda-se dos apoios que conseguiu de gente como o Tóni (do Benfica) e até do Manuel José?
    Entre o Cavaco e o Manuel Alegre, não vou pensar duas vezes. Vou votar Alegre, porque não quero ver o Cavaco na presidência mais 4 anos, como também não estou para aguentar com a festa de vitória no CCB ou dos riquinhos no Campo Pequeno.
    Temos que derrotar o candidato da direita e, por isso, é necessário reunir um consenso à esquerda em relação a este candidato que está melhor situado para vencer.
    Queremos Cavaco Silva mais 4 anos na presidência? Não queremos. Votemos, emtão, em Alegre.

  20. Renato Teixeira diz:

    Infelizmente não acrescenta uma única diferença, uma mais-valia, uma condição. Será um Cavaco mais rimado mas igualmente governista. Com Sócrates ou com Passos Coelho. Um yes men, como sempre foi desde o 25 de Abril.

  21. Rui F diz:

    LAM

    O Chora é de direita?????

    Ou queres colocar um presidente de Esquerda sem o PS ? (exactamente, sem o PS!)
    Pensava que eras realista e que efectivamente querias por alguém da Esquerda na presidência.
    Achas que quem vota PS (e não vai votar Alegre) votaria Manuel Carvalho da Silva???

    NÃO HÁ HIPOSETE: O Alegre é o que gera mais consenso

  22. Rui F diz:

    Eu particularmente não votaria Carvalho da Silva mas sou do Bloco

  23. MB diz:

    Nesse caso, ganha o Cavaco Silva.
    Se não há um consenso à esquerda, em torno de um candidato, bem pode o Cavaco continuar a fazer a sua campanha de pré-candidatura pelo país, com a Maria Cavaca ao seu lado, a arreganhar a dentadura.
    Oxalá que eu esteja errado e que o Manuel Alegre consiga passar à segunda volta, pois prefiro um escritor na presidência do que um robôt telecomandado.

  24. LAM diz:

    Rui,
    ok, exagerei. Mas esse nome que sugeres, por comportamentos muuuito estranhos (digamos assim para não ir mais longe), era incapaz de gerar consensos à esquerda, mesmo dentro do teu partido.

  25. Renato Teixeira diz:

    Exactamente MB. E a culpa não é de quem não gosta de açorda mas de quem deixou secar o pão!

    LAM, exagerou por certo. O homem não é de direita é só amigo da direita. E do patronato, claro. O melhor amigo do patrão da auto-europa. É um sindicalista cheio de amizade para dar e vender.

  26. MB diz:

    Renato Teixeira, o problema é que não podemos deixar a direita dominar o poder.
    As forças conservadoras e obscuras deste país têm raízes muito profundas que passam pela Inquisição, a figura de Pina Manique, a Vilafrancada de Dom Miguel e os caceteiros que perseguiram os liberais, os militaristas germânicos do Sidónio Pais, o salazarismo, o 25 de Novembro, enfim…
    Surge agora o Paulo Teixeira Pinto, uma figura que aparece no meio da confusão (quase diria das trevas… com aquele olhar biónico…), com um uma nova constituição, pronta para ser votada no parlamento. Ao seu lado, o novo delfim das forças conservadoras de eleição, o Sr. Passos Coelho.
    Não podemos deixar, nem consentir que o Cavaco Silva se torne presidente nesta altura.
    Por isso, acho necessário votar no candidato “à esquerda” mais bem colocado para vencer Cavaco Silva.
    Caso continuemos nestas guerras surdas, entre irmãos de esquerda (das ideias de generosidade humana, da honestidade, do rigor, da democracia, da república…), a direita “caduca”, reaccionária e até mesmo miserável do Sr. Paulo Teixeira Pinto, esfregará as mãos de contente e poderá até, quem sabe, acabar com a democracia.

Os comentários estão fechados.