Em que posição joga o Badiou?

Machado de Assis, esse grande zagueiro da literatura brasileira, dizia que se encontra filosofia em tudo, o que é preciso é “um espírito repousado” para lhe achar o sentido. “Como deveis saber, há em todas as coisas um sentido filosófico. Carlyle descobriu o dos coletes, ou, mais propriamente, o do vestuário; e ninguém ignora que os números, muito antes da loteria do Ipiranga, formavam o sistema de Pitágoras“. Os puristas desconfiam deste sincretismo, e se calhar com razão: os números de Pitágoras servem para os jogos de azar da sociedade capitalista? Proíbam-se os números de Pitágoras! De qualquer forma, o esquema pitagórico do meio campo em triângulo foi ultrapassado pelo losango, e as políticas promovidas pelos números no poder  – sobretudo o 2, o 4 e o 8 – são vergonhosamente de direita. Proíbam-se os números para podermos dedicar-nos em força à literatura! Ao menos essa não pode ser corrompida pelo baixo instinto da competição: ao contrário dos números, as palavras são todas iguais e dão sempre “o seu melhor em prol do parágrafo“, num espírito de abnegação e equipa que faltou a Cristiano Ronaldo. O que é preciso é que o humor não saia de  jogo, porque assim não ganhamos, James!
 
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Em que posição joga o Badiou?

  1. Carlos Vidal diz:

    Bonito post, Morgada, como sempre.

    Quanto à questão, eu explico: Badiou é, sozinho, o duplo pivot (de que muito agora se fala).
    Fui claro?

    • Morgada de V. diz:

      Não. Recordo-lhe que não li Badiou, e a falha é minha, mas eu pensava que o comunismo defendia o fim das classes, e não o fim do jogo, do que é lúdico, e do prazer. E porquê o fim do futebol, que até é um jogo colectivo? A União Soviética não participou, com o beneplácito do dear Stalin, nos Jogos Olímpicos de Helsínquia em 1952? E que dizer então do Dínamo de Moscovo? Será que Estaline errou? Não teria sido melhor preservar a pureza revolucionária e dizer não ao futebol e ao desporto de alta competição – “ah, e tal, nós é mais Gulags”? É tudo muito difícil para uma leiga como eu, preciso muito de ser educada. Sugiro que comecem uma série de “Communism for dummies” – assim dentro do género do “Sabia que” do João Carvalho, mas em menos chato. Grata.

  2. ezequiel diz:

    Morgada

    o badiou nem sequer joga. foi expulso. desobediência. o treinador explicou a sua exclusão: os números “descrevem” resultados mas nunca a natureza do jogo. 🙂

  3. Bruno Peixe diz:

    Eu diria que até 82 o Badiou era um destruidor de jogo. A partir daí começou a ser um número 10 até mais ou menos 2009. Depois reformou-se como jogador e treina uma equipa tão ofensiva que faz a Argentina do Maradona parecer o Paraguay do mundial de 98.

  4. ezequiel diz:

    sim, foi golo.

    badiou marcou um auto-golo.

    de cabeça. intencionalmente. o guarda redes substituto, vidal, nem sequer viu a bola. estava encostado ao poste esquerdo a fazer tricot.

    o treinador, Étienne Balibar pediu ajuda a Deleuze que disse isto: eu bem te disse que o badiou era um bluff. deverias ter escolhido o Gerome Rhizome!!

  5. Carlos Vidal diz:

    Morgada e ezequiel, o fluxista Deleuze achou que podia ter todas as posições.

    Desconhecia certas subtilezas, o Platão pô-lo a trinco. Fez bem, o Parménides apoiou a ideia.

    O Badiou, seguiu indicações do Maradona e acabou por marcar um golo que, junto ao do argentino, ficou ex-aequo como o outro golo do século.
    Faço-me entender?

Os comentários estão fechados.