Bullying económico, europeu e democrático.

Portugal vai emprestar dois mil milhões à Grécia. A Alemanha vinte e dois mil milhões. Os outros países da União irão emprestar verbas entre estas duas balizas. Os ricos vão ganhar muito dinheiro pois pretendem cobrar aos gregos juros entre os 5% e os 6% quando conseguem o capital a valores mais baixos. Os pobres arriscam perder dinheiro pois vão ter que o pedir emprestado a um juro mais alto do que o vão emprestar. A moral da história é simples: a Alemanha, e o seu gang, vai continuar a roubar a mesada aos outros rapazes da escola. A diferença desta vez é que o negócio para além de ser substancialmente melhor ainda parece benemérito. A crise grega e o recente pacote de ajuda não passa de mais um presente envenenado, um embuste, que mais não faz do que eternizar e agudizar as dificuldades dos helénicos e dos restantes países em dificuldades, comprometendo igualmente o seu tecido produtivo pois para além das tomadias ainda têm que privatizar o pouco que têm. Uma receita que funciona sem grande contestação há demasiado tempo e que já se sabe onde vai se a próxima paragem. Bonomia desta não só se dispensa como se deve combater. Eu, por mim, antes pobre a débito do que rico a crédito, ainda para mais com gente desta a fazer de banca. Volta Dona Branca, estás perdoada.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

12 respostas a Bullying económico, europeu e democrático.

  1. Pingback: Tweets that mention cinco dias » Bullying económico, europeu e democrático. -- Topsy.com

  2. psd da boa-fé diz:

    A Dona Branca algum dia saiu de moda? Enganar a malta com créditos é o negócio do milénio passado e vai continuar a ser o deste.

  3. Renato Teixeira diz:

    Infelizmente Boa Fé esta banca (que agora também conta com os tesouros nacionais) paga menos e cobra mais juros do que a Dona Branca. Assim como assim, no dia em que tiver que empenhar a vida num empréstimo, que seja com ela e não com eles…

  4. Raquel diz:

    “a Alemanha, e o seu gang…”

    Paga e é insultada! Gratidão no seu melhor.

  5. Renato Teixeira diz:

    Raquel, a Alemanha paga? Pergunto-me qual a parte que não percebe sobre o facto da ajuda ser em forma de empréstimo? Com juros entre 5 e 6%? É negócio, qual bonomia. Irra.

  6. Raquel diz:

    A Alemanha não paga rigorosamente nada, nadinha, e o Papa não é católico. Esta discussão é surreal. Até eu tenho limites. Aliás, vendo bem as coisas, tudo isto foi um plano maquiavélico: os Alemães que decidiram contribuir com centenas-milhares de milhões para o orçamento Europeu também decidiram sujeitar-se à vulnerabilidade de verem a sua economia ir parar às urtigas devido às asneiras Gregas. LOL 🙂 É um plano imperial brilhante, confesso. A estratégia imperial, se tivesse sido adoptada, teria sido outra, muito diferente da UE. (e, claro, possibilitava alguma permeabilidade face à tragédia Grega)

    5%??? Acha muito?

    Um empréstimo, claro! Queria que fosse o quê? Uma dádiva dos céus?

  7. Raquel diz:

    Cuidado, Renato: a Alemanha e o seu gang às tantas expulsam-lhe da zona euro…:)

  8. Renato Teixeira diz:

    Não sei se peça, se implore…

  9. Pingback: cinco dias » Como ser mais ou menos solidário com os protestos gregos e ainda assim achar normal defender o seu colonialismo económico

Os comentários estão fechados.