Sindicato de Arquitectos

No dia 29 de Abril constituiu-se o Sindicato de Arquitectos de Espanha. O silêncio dos Colégios de Arquitectos (organização congénere da Ordem dos Arquitectos) no que diz respeito às questões do trabalho precário, sub-emprego e regulação da profissão, levou a que os arquitectos espanhóis se organizassem em torno de um Sindicato.
Curiosamente, ou talvez não, constata-se que grande parte da divulgação do Sindicato surge a partir dos ateliers de jovens arquitectos – destaco os ecosistema urbano por serem dos ateliers mais prestigiados dentro e fora de Espanha. Ora o que assistimos trata-se de uma alteração de paradigma. Os mais jovens, ainda que pequenos empresários, colocam-se ao lado dos assalariados, precários e intermitentes, igualmente conscientes da sua vulnerabilidade enquanto tal.
Este novo paradigma de empresários, altera as fronteiras da luta de classes e em Espanha isso já se tornou muito claro.
Em Portugal, não tenho dúvidas que a contestação à Parque Escolar é um dos fenómenos mais interessantes de luta da classe profissional dos arquitectos. Nesta petição, juntam-se muitos cidadãos da esquerda à direita mas sobretudo, muitos arquitectos – uns empresários, outros funcionários públicos, outros precários (alguns nas empresas que projectaram as escolas), outros no desemprego.
A proletarização dos trabalhadores intelectuais, não é um fenómeno novo.
Se há uma coisa que está a acabar é a antiga auto-satisfação que o título profissional de arquitecto propiciaria um ingresso de ouro na vida profissional ou numa classe média alta. A agressividade a que estes trabalhadores têm vindo a estar sujeitos atingiu níveis de violência nunca vistos – total perda de direitos sociais, precariedade, salários de miséria, etc…
Hoje, as condições de trabalho de muitos arquitectos são em muitos casos piores do que as condições dos operários têxteis ou fabris, exactamente, porque não têm nenhuma associação profissional que organize e estimule as suas lutas e reivindicações.

Voltarei ao tema. Bom 1º de Maio!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.