À chacun sa madeleine

Acabado o almoço, acendi um Gauloises, e posso assegurar que senti nesse momento o odor do tabaco preto tal como primeiro o conheci, tinha treze anos, em Paris. Posso agora dizer: cancro de pulmão, não serás em vão (e a vida ganhou um novo mesmo que pequenino significado).

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to À chacun sa madeleine

Os comentários estão fechados.