Cá se fazem, cá se pagam

nojo
A fétida convivência da política de verdade com o gajo da mala ultrapassa qualquer limite que a decência possa traçar. Fulanos daqueles deviam ser tratados como leprosos medievos, andando pelas ruas de sineta ao peito. Quando o ouvissem perto de uma sede partidária, tratavam de trancar as portas à peste.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

1 Response to Cá se fazem, cá se pagam

  1. Luis Santos diz:

    Não se queixem. As listas da Senhora são a melhor coisa que podia fazer pelo País. Foi um passo importante para não vermos isto invadido por umas laranjinhas pequeninas, azedas e bolorentas que se vendem em saquinhos nalguns espaços comerciais.

Os comentários estão fechados.