Preocupações sociais à maneira do Bloco Central

Parece que a Caixa Geral de Depósitos teve um lucro de 227,4 milhões nos primeiros seis meses de 2009 e o seu Presidente, nomeado pelo governo, já fala em aumentar os spreads.
Este é o momento certo para recordar que o PCP, há mais de um ano, tem vindo a defender a fixação de um spread máximo para que estes vampiros não nos mexam no bolso com tanta facilidade. A maioria absoluta do PS tem garantido que a banca mantenha esse poder.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 Responses to Preocupações sociais à maneira do Bloco Central

  1. Chico da Tasca diz:

    Só te mexe nos bolsos se lá fores pedir um empréstimo. Eles não te vão a casa obrigar.

    O que tu não falas é do crédito à habitação para onde as pessoas foram empurradas pela esquerdalhada do PS, do PCP e agora tb do BE, pelo ódio que têm aos proprietários. Vocês deram cabo do mercado de arrendamento, continuando uma lei salazarista, e roubando quem investiu numa casa para ter rendimentos em vez de o pôr num banco ou num offshore, e agora têm a lata de virem falar nos lucros dos bancos ?

    Passeia-te por Lisboa e vê as casas a cairem !

    Tiago Mota Saraiva todos os teus posts contra os bancos revelam uma falta de vergonha a todos os titulos !

    Revela muita hipocrisia !

  2. Luis Rainha diz:

    Mas o spread não pode aumentar a meio de um contrato, certo? Como é que nos mexem então nos bolsos?

  3. jcd diz:

    Os spreads podem aumentar para os novos contratos – a CGD está em concorrência com outros bancos, por isso, o aumento dos spreads é algo que se faz à custa de quota de mercado.

    227 milhões de euros para um banco como a CGD não é nada do outro mundo.

    Se a banca fosse nacionalizada, como o PCP gostaria, os spreads seriam muito mais elevados – aliás, nem haveria esse conceito de spread.

  4. O aluguer não tem spread nem é devido à banca.

  5. Carlos Vidal diz:

    Uma novidade absoluta, estreia para a blogosfera: o Chico da Tasca abandonou o socratismo e, consequentemente, o seu PS.
    Está escrito lá em cima: “a esquerdalhada do PS, do PCP e do BE”.

    E agora Chico da Tasca?

  6. alzheimer diz:

    O xico da tasca ou anda a dar no LSD25 ou já está alucinado por doença.Coitado.Dê lá comprimentos ao antónio Borges da Goldman&Sacks,ao Oliveira Costa,aoRendeiro,etc,tudo bons rapaces

  7. Chico da Tasca diz:

    Carlos Vidal

    eu não sou do PS nem de partido nenhum e nem sequer votei no Sócrates, aliás, nem sequer votei.

    Mas que o Sócrates e o PS foram uma agradável surpresa, isso foram, sobretudo depois dessa coisa pastosa e com pouca espinha que dava pelo nome de Guterres. Quando me refiro à esquerdalhada do PS, refiro-me àquela franja de inuteis que parasitam o partido e o país, progressistas profissionais, como o Alegre e seguidores.

    Mas uma coisa é certa : o caro Tiago que, devia ir ao psiquiatra porque ele e muitos como ele desenvolveram uma fobia anti-banca que já se tornou patológica, ainda não respondeu à minha questão : de onde provêm uma boa parte dos lucros da banca assim como do endividamento dos portugueses, e quem os obrigou a terem de ir ao banco se quiserem ter casa.

  8. Justiniano diz:

    Rainha!
    Exactamente a meio não…mas se 10min. antes ou depois já pode, isto desde que não contrarie a lei da gravidade.
    Usualmente com as mãozinhas, assim à laia de moleiro.

  9. alzheimer diz:

    o xor xico da tasca tem uma homofilia para com os banksters(não sei se numa outra encarnação era um capachodum destes bancos q foi à bancarrota)mas poderá fazer o seu up-grade indo consultar o resistir.info ou 9 blogger xatoo.Aviso:creio q ver estes sites acima lhe pode provocar um over-flow na sua cabecinha apensante

  10. luis t. diz:

    Quem deu cabo de tudo neste país foi o Salazar! o PPD e o PS são apenas a evolução na continuidade….

  11. Luís Antunes diz:

    Força , Chico da Tasca!

  12. Luís Antunes diz:

    Obrigado , Zita Seabra , PELO TEU LIVRO !

  13. Luís, dou-te dois exemplos em que os bancos aumentam os spreads sem margem para qualquer negociação:
    – se tentares amortizar parcialmente um crédito à habitação o banco considera uma alteração de contrato e por isso levas com o aumento do spread;
    – no caso das empresas os spreads negociados para empréstimos de tesouraria, normalmente para pagar salários e para cobrir os atrasos no pagamento de facturas, têm vindo a ser unilateralmente revistos.

    Ou seja, a banca, para continuar a dar os seus tradicionais lucros astronómicos (diria até vergonhosos, no contexto do país) esmifra-nos duplamente. Encosta-se ao Estado quando cheira a prejuízo, continuando a contratualizar o que bem quer e lhe apetece com o cidadão e com as empresas.

Os comentários estão fechados.