“Com Sócrates aumentou a pobreza” – Eugénio Rosa

“Segundo o INE, entre 2007 e 2008, a taxa de risco de pobreza, ou seja, pessoas que auferem um rendimento inferior ao limiar de pobreza (384,5 euros/mês – 14 meses) aumentou em Portugal de 10% para 12% entre os empregados (+20%); e de 32% para 35% (+9%) entre os desempregados. Em relação à população empregada pode-se falar já com propriedade de “pobreza no trabalho”, ou seja, trabalhadores que têm emprego, mas cujo salário que obtêm não é suficiente para viver com um mínimo de dignidade. Congelar salários ou reduzir salários, como defendem alguns, seria aumentar ainda mais a pobreza mesmo entre aqueles que têm emprego. O que é preciso é subir significativamente o salário mínimo, e fazê-lo cumprir, para combater o aumento da pobreza entre os que têm trabalho. Relativamente aos desempregados, a dimensão da pobreza é ainda maior do que aquela que revelam os dados anteriores do INE. Efectivamente, em Maio de 2009, a taxa de desemprego em Portugal atingia, segundo a OCDE, 9,3% o que correspondia a 520.316 desempregados. Nesse mês o número de desempregados a receberem subsídio de desemprego, segundo o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, era apenas de 323.916, o que significava que 196.400 não tinham direito a subsídio de desemprego. Dos 323.916 a receber subsídio de desemprego em Maio de 2009, 101.546, ou seja, 31,3%, recebiam um subsídio inferior a 351 euros/mês, ou seja, abaixo do limiar da pobreza que era de 384,50 euros. Portanto, se adicionarmos estes 101.546 que recebiam um valor inferior ao limiar da pobreza aos 196.400 que não tinham direito ao subsídio de desemprego, obtém-se 297.946, o que corresponde a 57,3% do total de desempregados estimados pela OCDE. Isto significa que, pelo menos, 57 em cada 100 desempregados ou não recebiam subsídio de desemprego ou recebiam um valor inferior ao limiar da pobreza. E a situação real é ainda é pior pois o desemprego efectivo atingia já em Março 624.300 portugueses. É devido a estes números que afirmamos que a taxa de pobreza entre desempregados é superior aos 35% divulgados pelo INE.”

Eugénio Rosa – artigo completo no ODiario.info

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to “Com Sócrates aumentou a pobreza” – Eugénio Rosa

  1. lucastadeu diz:

    Os comentadores sabichões,pelos vistos,meteram a viola no saco….Olhem,cumprimentos ao arlindo de carvalho e,já agora ao dias loureiro e à drª judite de sousa

  2. m diz:

    Pois é. enquanto os nossos impostos , dos que produzem , forem direccionados para os quadros do público , que ganham 75% !! mais que os quadros do privado ( os obscenos valores do Constâncio e do Patrão suponho que contribuiram pelo menos com 4 ou 5 pontos da diferença ) , em lugar de para quem eles dizem que vão , a cena será sempre esta. O estado está cada vez mais parecido com a igreja católica , pois está , sobretudo ao nível dos “servidores superiores”. Malditos intermediários. A democracia representativa não presta.

Os comentários estão fechados.