Uma das coisas fascinantes no radicalismo é a inteligência crítica certeira….

….. e a aversão à mediocridade, mesmo que muito endinheirada, mas, porque só endinheirada e apenas isso, de mau gosto, bimba e rasca. Há momentos em que o inimigo não é a “direita” (o inimigo pode ser, sim, a verdadeira direita, o PS!), é a ignorância. Segue um post do “Portugal dos Pequeninos” (e parabéns ao João Gonçalves pelo seu livro):

O que se está a passar com os Trabalhistas ingleses do sr. Brown – uma sondagem remete o partido do governo para um desgraçado terceiro lugar nas eleições europeias atrás de um partido antieuropeu e dos conservadores – é, mais ou menos, o que vai acontecer ao PS quando se livrar do pesadelo “socrático”. Apesar dos ingleses serem aparentemente mais implacáveis para com a miséria moral, intelectual e política das nomenclaturas do que nós, o PS que se seguir ao absolutismo medíocre e autoritário de Sócrates vai passar as passas do Algarve. As peripécias do PSD ao pé disso parecerão pequenos divertimentos de ocasião. Blair – o Tony da “esquerda moderna” e milionário conferencista mundial de opereta – deu o mote para o anunciado descalabro. Depois de mim, o dilúvio, terá pensado o sorriso mais idiota da ilha de Sua Majestade. Brown porventura não merecia esta humilhação. Quem serve Tony Blairs anos a fim quando, na verdade, são os Tony Blairs quem se serve deles, arrisca-se a vexames destes. É bem feito.
                                                        O imenso estadista
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Uma das coisas fascinantes no radicalismo é a inteligência crítica certeira….

  1. Só não concordo com a legenda da fotografia. Rosto humano do “socialismo ” parece me mais adequado.

  2. Deixa-me acrescentar o seguinte: conheci há muitos anos um escocês colega de liceu do toni ( e abro um parentesis para sublinhar que os únicos tonis que aprecio é o do benfica e o soprano) que o definiu como um coir boy (náo sei se é assim que se escreve) isto é, um menino do coro.

  3. Deixa-me acrescentar o seguinte: conheci há muitos anos um escocês colega de liceu do toni ( e abro um parentesis para sublinhar que os únicos tonis que aprecio é o do benfica e o soprano) que o definiu como um coir boy (náo sei se é assim que se escreve) isto é, um menino do coro. Muita água benta pouco labour. Uma Tatcher de calças, sem nenhuma das qualidades da dama de ferro. Muita presunção e água benta. Há quem por cá o tente imitar, mas cópia por cópia, prefiro como modelo a margarida e, atenção, diz por aí que a minha querida septuagenária ainda vai fazer estragos. Pode ser que passes a ter um inimigo em condições. Oxalá.

  4. ezequiel diz:

    Cheesy Blair.

Os comentários estão fechados.