Solene jura

E se um dia o dr. Carlos César me quiser obrigar a votar, solenemente juro: não votarei. Por norma. É que esta ameaça, reparem, surge nas Europeias. Claro que não é concidência.

Mas se o dr. César e os outros políticos de dimensão nacional pusessem a mão na consciência, perceberiam que há alguém responsável pelas elevadas abstenções, são eles próprios. Vejam a campanha europeia. Já entramos num registo de gritaria cruzada inaudível. Agora é que a abstenção soma e segue. Mas não fui eu nem ninguém que os obrigou a entrar nesse registo.

Vão-se lixar. Boa noite e boa sorte.

Sobre João Pedro Henriques

Jornalista
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Solene jura

Os comentários estão fechados.