Do asco, aqui ontem meditado, ao sublime doravante desejado (obrigado Kant): Scriabin por Horowitz

Foi um dia e um momento histórico, ou muito mais do que histórico e ainda muito mais do que muito comovente: num pequeno cartaz de parede do grande Conservatório de Moscovo estava anunciado, discretamente, um concerto do pianista “Vladimir Horowitz (USA)” para 20 de Abril de 1986: 1800 lugares do Grande Hall do Conservatório destinaram-se a convidados e cerca de 400 lugares foram disponibilizados ao público; uma noite de fila interminável e os bilhetes desapareceram todos em pouquíssimos minutos. Toda a gente em Moscovo amava o seu grande Horowitz, um dos maiores músicos do século, que sessenta anos depois, aos oitenta e dois de idade, voltava a “casa”. Assombro e sublimidade!
Horowitz interpretou Scarlatti, Mozart, Liszt, Schumann e o meu mui querido Scriabin (tendo Horowitz passado ainda algum tempo com a filha do compositor, visitado também a casa e tocado no piano de Tchaikovsky) [registo: “Vladimir Horowitz in Moscow”, Deutsche Grammophon, 1986]. Scriabin foi um dos loucos mais fascinantes do século XX, fundador da modernidade com Debussy, Stravinsky e Schoenberg (mas menos conhecido que estes). Longe, já muito longe da Terra e da Música, este louco genial concebeu nos seus últimos anos uma nunca realizada obra de “arte total” chamada “Misteria”, obra multimedia e “síntese religiosa de todas as artes” a ser executada nos Himalaias!!! Pena, muita pena que nenhum neovanguardista de 60 e 70 (e isso é quase certo) ligado aos happenings e performatividades tenha alguma vez sequer ouvido o nome deste homem: Alexander Scriabin, de quem aqui Horowitz interpreta o Estudo Op. 8, nº 12.
Sem mais comentários.

Ah, estas imagens são de Moscovo, sim, 1986!!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Do asco, aqui ontem meditado, ao sublime doravante desejado (obrigado Kant): Scriabin por Horowitz

  1. Sofia diz:

    I-R-R-E-V-E-R-S-Í-V-E-L!!!!

    S-U-B-L-I-M-A-Ç-Ã-O, minha MAIOR , ESTIMADA e FIEL AMIGA!!!!! (Não me abandonas nunca).

    Sobe-se a P-U-L-S-O, com tanto E-S-F-O-R-Ç-O, quem quer voltar a descer?
    Para ter de voltar a subir? (Isso é que era doce… Isso é que era doce! Desça no “escorrega” quem quiser… Daqui, das alturas, já não saio, daqui já ninguém me tira).

  2. Pingback: cinco dias » E para quem não gostou nada do meu post anterior sobre V. Canas (é o meu caso, não gostei mesmo nada), regressemos ao sublime

  3. almajecta diz:

    e aqui a famelga anda tão contente…
    é da música das esferas, com certeza.
    a minha psi está sempre atenta, talvez acabe com o Scriabin.

  4. A. Laurens diz:

    E depois tudo acabou. Agora dão aos putos uma bola de futebol para ficarem à Ronaldo. Pff….

Os comentários estão fechados.