E eis deste dia o herói Pinto Paulo Mendonça e Silva, subindo a rampinha, muito acabrunhado, que o levará a obter uma festinha da dona, a rainha Filipa F.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 Responses to E eis deste dia o herói Pinto Paulo Mendonça e Silva, subindo a rampinha, muito acabrunhado, que o levará a obter uma festinha da dona, a rainha Filipa F.

  1. Pst, Pst, Ó Fax Favor, diz:

    Ó Fax Favor,
    1- Ó fax favor, era só para pedir: tire-me lá este comentário daqui.(amanhã já sei que me vou arrepender)

    2- E já agora se me fizer um obséquio tirava-me um outro, salvo erro de dia 1 de Abril de 2006? Ou será 2007? Olhe, procure lá… sff, já nem lembro de quem era o post em que comentei, mas tenho, ou não, direito ao meu comentário?

    3- O que diz agora a nova lei do divórcio?

  2. Uma dúvida: diz:

    Se eu me zangar com alguém posso pedir que me devolvam tudo o que ofereci de bom grado?
    É que isso traz-me um Grande Problema: algumas das coisas que ofereci eram comestíveis…

  3. Isto é um Goya que vive no Prado não é?

    Na minha memória as cores são diferentes.

  4. Sofia diz:

    Eu, Sofia, estudiosa e madrugadora, venho pedir-vos um favor: (ao Carlos V. e ao Paulo P.) não discutam tanto, e se o fizerem, pelo menos não tenham piada, porque eu devia estar aqui, deste lado, lendo calhamaços entediantes, pesquisando teorias frequentemente maçudas, fazendo pela vida, buscando perspectivas de futuro, e estas vossas brigas do Olimpo, andam-me a desconcentrar, assim não há concentração possível… não consigo estudar… fujo para onde há diversão. Ora bolas! Tenham mas é juízo, dêem bons exemplos aos blogosferistas! Ou, então, briguem, briguem muito, degladiem-se à vontade, mas sem graça, sff.
    Agradecida!

  5. Sofia diz:

    Fernando Pessoa é que me entende tão bem.

    “Ai que prazer
    não cumprir um dever.
    Ter um livro para ler
    e não o fazer!
    Ler é maçada,
    estudar é nada.
    O sol doira sem literatura.
    O rio corre bem ou mal,
    sem edição original.
    E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
    como tem tempo, não tem pressa…

    Livros são papéis pintados com tinta.
    Estudar é uma coisa em que está indistinta
    A distinção entre nada e coisa nenhuma.

    Quanto melhor é quando há bruma.
    Esperar por D. Sebastião,
    Quer venha ou não!

    Grande é a poesia, a bondade e as danças…
    Mas o melhor do mundo são as crianças,
    Flores, música, o luar, e o sol que peca
    Só quando, em vez de criar, seca.

    E mais do que isto
    É Jesus Cristo,
    Que não sabia nada de finanças,
    Nem consta que tivesse biblioteca…”

    Fernando Pessoa

  6. Não é por nada, mas usei este Goya para ilustrar metaforicamente uma lenda medieval (muito anterior, portanto, ao grande surdo que, por isso, passou a ver mais que quase todos os outros).

  7. javali diz:

    Isto é um quadro.

  8. dalby diz:

    Considero TODO este tipo de comentários tão imbecis e primários DE pseudo intelectuais, como o tipo da visga ao canto da boca, a deitar fumo e a apreciar as coxas do bar da Nina..É a perfeita decadência e demência da inteligência, ou da candidatura à mesma via avante camarada!…Todas aquelas gajas de Lx e da margem sul foram feitas onde, como porquê e para quê??e Este literário da coxa da Nina…??Deve-se deleitar a mirar o próprio caralho quando se levanta..o problema é que só ele…e as da Nina o devem fazer..votar no PCP é só mesmo , caralho, para tipos como ele..e seguintes! NÃO HÁ MESMO PACIÊNCIA PARA O LIXO NUCLEAR! A´BEIRA DELES O SALAZAR ERA UM GENTLEMAN, e o Sá Carneiro um príncipe..eles..nem para criados dariam!
    E não volto cá..só vim cá arrotar isto que tinha estado com o estômago cheio e não pude vir antes!
    continua Camarada Vasco, que vais longe filho!
    Mas no NINA!
    Só te peço que não mandes nenhuma resposta em que tenha de te mandar, como à boa moda do Porto, à merda, ou mandar-te foder! Tout court, literalmente , if you know what I mean DARLING!
    dalby

  9. Paulo Ribeiro diz:

    não, não é um quadro. salvo erro é uma pintura. melhor, isto é, um goya que está aprisionado numa parede do prado. daí as cores. estão diferentes… é, urgente, que libertem os prisioneiros dos museus! todos! mesmos os que estão presos aos mausoléus dos sistemas de ordenação social. mesmo esses.

  10. dalby diz:

    por outro lado este gajo parece-me um pouco a versão masculina (ou seja lá o que ele for!) da F Câncio a quem dediquei uma poesia também que serve também para ele:

    «Eu acho absolutamente cansativo estas mulheres do sul, nos seus comentários e ideias. Com aquele histerismo conhecido, vociferam semi-ideias e pseudo- conceitos decorados como todos os dias fossem happy-xmas, e pior… como se fossem empregadas inteligentes de ditadores como Salazar, e a quem este lhes desse uma migalha de tempo para dizer uma graça ou uma poesia para dormir…Olham de manhã por si abaixo, olham o triste espelho a quem exigem o impossível, e pensam que são «alguém»!Bahhh que mediocridade clássica se vê naquela terra. Eu amo o Ribatejo mas não a vulgaridade de Vila Franca! Jamais! Isso é antenas, antenas e antenas de TV a mais, sintomático suburbano de anos…de quem quer e não pode, de quem vive à beira mas não é, toda a vida a querer..da capital tão próxima, mas nunca o foi! Vila Franca é a miséria urbanística do velho e novo Portugal. AH… esse eterno desejo de um dia pertencer a algo VERDADEIRAMENTE NOBRE E CHIQUE DOS VERDADEIROS GRANDES, A QUE NUNCA HÃO-DE CHEGAR! Faz-me lembrar o tempo em que a Maria Antonieta tinha um amiga de uma conhecida que era servente no palácio e que lhe tinha dito, à zurrapa, para ir merendar lá à cozinha, sem o Rei saber..E ELA FOI, A CORRER, E CONFUNDIU TUDO..QUE UM DIA SE TORNARIA RAINHA. Mas oh..oh pobre gata borralhada baralhada…para isso, ter-se-ia de reinventar a Natureza!!! A mentira viraria verdade e a verdade uma mentira real, o mundo seria assim porque assado já não daria..!!
    Não gosto dos seus textos, são pseudo-burgueses, não gosto da sua voz estridente, da sua pose, da sua «mimalhice» da sua candidatura a jornalista e a pseudo-inteligente..você é vulgar e arrogante, não olha as pessoas de frente e os seus comentários não chegam a críticas pois são mimados e um pouco irritantes. Depois, tem pinta de quem manda logo os bulldogs, melhor, as bulldogs todas atrás defendê-la! E SE HÁ BULLDOGS QUE EU ABONIMO SÃO AS MULHERES DO SUL, TÃO ESTEREOTIPADAS, TÃO NADA-MULHERES, TÃO DEJA VU EM TERMOS DE OBJECTIVOS DE VIDA..TÃO POUCO NOBRES..E TODAS CANDIDATAS A «QUALQUER COISA».
    A pobreza da zona contrasta com a arrogância banal deste blog, que se pavoneia de diamantes, quando afinal são..pedras….de Carcavelos..»
    PAI PERDOA-LHES POIS NÃO SABEM O QUE FAZEM!
    Adalberto Mar
    aventar.eu

  11. almajecta diz:

    agrada vir a ela:
    como Verdade, para ser dito,
    como Vida, para ser vivido,
    como Luz, para ser iluminado,
    como Amor, para ser amado,
    como Caminho, para ser seguido,
    como Alegria, para ser dado,
    como Paz, para ser espalhado,
    como Sacrifício, para ser oferecido,
    entre os nossos parentes, os nossos próximos e os nossos vizinhos.

  12. Carlos Vidal diz:

    Ó dalby, eu gosto de caralhadas, mas têm de vir de pessoas sem Alzheimer.

    Como o Alzheimer não se trata, da próxima vais para o lixo. Meto-te no primeiro contentor que encontrar à entrada da Afurada.
    (E peço desculpa a quem tem Alzheimer – não ao adalberto – e a quem com essa terrível doença ainda tenta manter uma certa energia ou vitalidade.)

  13. Joane, o Parvo diz:

    Nunca tinha visto um cartão do Cidadão tão repleto de dados: dalby/ adalberto.
    Parabéns Sócrates!
    Excelente a ideia socrática de substituir o B. I. pelo cartão do Cidadão.

  14. ironia suprema diz:

    Mas que coisa extraordinária…
    Em cada caixinha de comentários fica registada uma fotografia auto-biográfica.
    Tentei contar os traços registados e suas ironias, umas mais finas outras bem mais grosseiras…
    Perdi-lhes a conta!

  15. Paulo Ribeiro diz:

    terei percebido bem e o “artes disserendi” do dalby dedicou-me um escarro, ainda por cima, puxado das profundezas do peito, numa comparação com o “ponto g” deste blog. não fora o facto, bem notório, deste anão de velasquez (tal deve ser o tamanho cabeçudo da respectiva cabeça e o corpito enfezado das tareias, que, pela vida fora, deve ter levado), estar em manifesta degenerescência, e eu, sempre diria que o seu discurso rectal, deve envergonhar qualquer ribatejano que se preze. meu caro, pegue no seu corpito enfezado vá depressa criar uma obra de arte, do género impressionista, ali, na linha de comboio mais próxima. vale?

  16. Camelo no buraco da agulha? diz:

    PR
    Isso já ele fez…

Os comentários estão fechados.