violência verbal

Desidério Murcho é filósofo. Conheço mal a sua obra (li apenas alguns textos pequenos) mas, de vem em quando, vou lendo as suas palavras no blog “de rerum natura” onde escrevem também Carlos Fiolhais, Palmira F. Silva e (a minha querida professora) Helena Damião. Hoje na volta pelos blogs que faço encontrei este parágrafo que deixo aqui como provocação para todos nós!

(…) Nos blogs o problema da violência verbal nada tem a ver com distinções subtis relativos ao insulto — casos em que o insulto é bem-vindo, ou artístico ou interessante; nem a violência verbal é defensável só porque também é praticada por este ou aquele académico — afinal o roubo não se torna aceitável, mesmo que seja praticado por um juíz. Isto é apenas tapar o Sol com a peneira, pois a violência verbal das caixas de comentários dos blogs inibe as pessoas mais ponderadas e genuinamente interessadas de comentar, e não desempenha qualquer papel cognitivo relevante: não faz avançar a discussão, não é iluminante, não apresenta contra-exemplos relevantes ou objecções cuidadosamente pensadas. Ou seja, fica-se numa situação hobbesiana de guerra verbal, destruindo-se a possibilidade do debate genuíno sob a mentira da informalidade e da falsa igualdade — pois nem uma nem outra podem existir quando quem berra mais alto bloqueia a participação dos leitores mais informados, ponderados e bem-educados.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to violência verbal

  1. Teso diz:

    Ou muito me engano ou esse gajo tá murcho.

  2. juliana diz:

    q texto horrivel

  3. lois diz:

    que testo, isso nao vale nada nem ajuda

  4. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Os comentários estão fechados.