Tirem-me daqui!

Carlos,

Que tu, o gajo que por aqui mais tratos de polé aplica ao Português, se ponha com estas tontices a propósito de uma gralha evidente, só mesmo para rir. Ainda por cima, e como não podia deixar de ser, «É pá, vê lá se dás menos gralhas, pelo menos» até contém um erro; um bombom se deres por ele.
Francamente, a tua pesporrência para com os comentadores e colegas de blogue já cansa. Tivemos aqui um desbocado do mesmo jaez, não estou para aturar outro, assim tão depressa. Que te pareça bem esse símile com o PNR, é lá contigo, desde que eu não esteja associado a essa parvoíce.
Numa palavrita, vai à merda. E fica aqui a tomar conta disto, que já anda abaixo de cão. Até o Nuno aparenta vergonha de por cá passar. Tirem-me, o mais depressa possível, do rol de autores disto, por amor da santa.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

24 Responses to Tirem-me daqui!

  1. Enojado diz:

    Ora aí esta uma decisão acertada, sr. Rainha.
    Vá pela sombra, que hoje o sol está forte…

  2. Tava a ver que nunca. E tu não sonhas a quantidade de comentários meus que este Carlos censurou.

  3. Ora essa diz:

    Ora essa, João Pedro da Costa. Qual Carlos?

  4. Paulo Jorge Vieira diz:

    Luís
    Tens demasiado tempo – e polémicas – no curriculum para te cansares agora. Mantêm a força e o dinamismo!

  5. mimi diz:

    O PCP ganhou

  6. rosarinho diz:

    Avé Rainha,
    Avé Carlos,

    Sou frequentadora recente deste espaço. Estou descontextualizada e nem me atrevo a comentar (o que a mim não me diz respeito), muito menos a tomar partidos.

    Vejo que há nestes posts algo em comum. Grande sentido de humor…
    As polémicas ultrapassam-se (ou não… não sei).
    O que perdurará sempre – unindo – é o sentido de humor (penso eu de que…)

  7. Cidadão preocupado diz:

    epah por favor corram com o vidal o homem tem a noçao de realidade de uma barata boémia, ele que vá comentar os pseudos-intelectualoides artistas preferidos dele pra casa própria e deixa este estaminé em paz

  8. ai ai diz:

    “Que tu se ponha” é giro. Faz pandan com o tema do post. E agora apaga o comentário, que é para não te envergonhares ainda mais.

  9. cfa diz:

    Que curioso, este blogue é autofágico.

  10. LAM diz:

    Luis Rainha,
    Desculpe lá eu como mera visita da casa meter o bedelho em assunto doméstico.
    Mas já que a coisa deu direito a post, e se há coisas que uma msg privada ou um telefoemazito sirviam, esta é uma delas. (mas isto sou eu a falar…)

    Cada um é como cada qual e não há ninguém como evidentemente. As pessoas são diferentes como diferentes são os seus modos de se envolverem em polémicas ou até criar essas polémicas. O Carlos “X”, chamemos assim, tem a sua forma de abordar as questões e às vezes é um chato do caraças. Ó CARLOS ÉS UM CHATO DO CARAÇAS!
    Mas talvez por isso, ou também por isso melhor dizendo, levanta aqui discussões e suscita pontos de vista que conversas de meias tintas nunca suscitariam.

    Como visita da casa espero que essas merdas possam ser resolvidas com um telefonemazito ou então à porrada no Martim Moniz.
    Quer o Carlos, o Nuno e você Luis são a alma deste blogue. Superem essas merdices e aguentem-se à bronca, olha o caraças!

  11. António Figueira diz:

    Caro Luís,
    Estou em fase de análise do teu brado libertário – embora suponha que qualquer “tirem-me daqui!” tenha sempre por contrapartida um “daqui não sais!” prévio, que eu nunca ouvi; por isso, agradecia-te duas precisões:
    – aonde é que vai dar o teu link, porque clicando em “estas” não vou dar a crime nenhum;
    – aonde é que está o erro em “É pá, vê lá se dás menos gralhas, pelo menos” (podes portanto guardar o bombom).
    Abr., AF

    PS: À CFA: Posso pretender ser esse um dos principais motivos de interesse desta ship of fools?

  12. Antónimo diz:

    eu explico, AF: “eh, Pá!”
    O É é tempo verbal do verbo ser. Rainha volta, vá

  13. António Figueira diz:

    Então e se fosse “pois é pá, vê lá se dás…tal e coisa”, o e era com acento ou com agá? E o agá, levava agá? Eu sou muito fraquinho, não posso competir nestas coisas.

  14. cfa diz:

    Sem dúvida, de um ponto de vista antropológico. Muito interessante. Venho sempre aqui. Parece-me um bom espaço de liberdade.

  15. Sérgio Pinto diz:

    Sendo leigo na matéria, AF, nesse teu exemplo o “pá” não teria de estar entre vírgulas? Em caso afirmativo, esse teu exemplo torna-se inválido (do ponto de vista daquela discussão entre “é” e “eh”).

    P.S. Pois é, afinal o Rui Curado da Silva tinha razão quando falou da pimbalhização. E a “pesporrência” não vem de agora, basta ver as discussões do Vidal com o Filipe Moura. O que eu estranho é que haja sempre gente disposta a pôr paninhos quentes por cima da evidente incapacidade de argumentar, sem insultos e desonestidades, que o Vidal permanentemente revela.

  16. LAM diz:

    Mas podemos ir por outro lado: “é (verbo ser, no sentido de ser verdade), pá! Vê lá se…etc e tal”

    Ou não?

    (esta merda está-me a fazer bem para desanuviar do Vital Moreira. Para onde quer que olhe só vejo o Vital Moreira. Ele é o Vital Moreira a caminhar na manif esbaforido enquanto era apalpado por um senhor que ia ao lado, e quanto mais gente se chegava mais o senhor o apalpava, nem sei como não constam assédios sexuais no rol de queixas do candidato, “cuspido” “molhado” e “apalpado” não sei, mas acho que dava mais impacto e são ingredientes que vendiam melhor. Ao outro dia Vital Moreira a olhar para um copo de vinho verde com cara vermelhusca de quem já tinha provado da garrafa ao que, estilo bondage lhe enfiam um capacete na cabeça e o obrigam a falar esbaforido. Aqui não sei se era ele se era o vinho que falou para um microfone antes de arrastar um barco até a um rio. Começo a pensar seriamente se o que o PS não tem reservado para o seu candidato não seja exactamente o que diz o Nuno Santos no seu blogue que é levá-lo a um jogo no estádio do Dragão, metê-lo no meio dos superdragões com uma bandeira do Benfica. Hoje de manhã olhei para o espelho e cresceu-me desmesuradamente o bigode.)

  17. Luís,
    Um gajo não pode ir 4 dias a Berlim que vocês pegam-se todos.

    Abraço

  18. ezequiel diz:

    é a esquerda democrática no seu melhor. só falta dentadas.

    pena não ires a Berlim com + frequência. 😉

  19. António Figueira diz:

    Vecchio Ezequiel!!!
    Tinha saudades tuas – sempre nas ilhas?
    Aparece mais vezes, ti prego.
    Abraço grande, AF

  20. Pingback: O grande projecto da esquerda verdadeira : O País Relativo

  21. ezequiel diz:

    (este é mesmo o meu email)

    Caro António,

    obrigado. old habits die hard.

    Um grande abraço para ti também.

  22. ezequiel diz:

    ó Luís.

    n saias daqui pá. o prof tem as suas pancas. tu tens as tuas. eu as minhas. enfim. perdoa-me o devaneio pelo bom senso pop mas, peço-te, fica por aqui, hombre. escreves e pensas bem. não te exiles numa coisa insípida qq (não visitei o teu blog, nem sei se te mudaste para outro bla bla)

    vocês falam em tolerância mas quando as coisas apertam…afastam-se! não Vos percebo.

    muchos complimentis,
    z

Os comentários estão fechados.