Busybodysmo

O Nuno farta-se de mandar mails a chamar-me preguiçoso e a dizer que eu tenho mínimos a produzir. Eu, calão, nem respondo, até porque o meu silêncio (sempre estudado, é claro) é agora mais do que compensado por um comentador busybody a quem eu quero prestar a minha homenagem: este post deve pois ser entendido como um comentário aos comentários do comentador Paulo Ribeiro, cujo providencial busybodysmo me deixa passar as noites em paz, simplesmente a ler em vez de ter de me violentar a escrever – o que é um nirvana para um preguiçoso como eu (o Nuno topou-me bem). Com efeito, de 26 de Março p.p. até às 16:18 de hoje, o dinâmico Paulo Ribeiro já escreveu noventa e seis comentários no nosso blog (o que é mais do que todos os bloggers juntos), a todas as horas e sobre todos os temas, mas tendo sempre algo em comum: a defesa da pessoa e da obra governativa do Sr. José Sócrates, dos méritos do Magalhães e das “novas oportunidades” às múltiplas trapalhadas dos múltiplos casos com que o Sr. José Sócrates se acha confrontado. Eu agradeço ao activo comentador o descanso que me proporciona, mas tenho ao mesmo tempo a desagradável sensação de que o dinheiro dos meus impostos anda a ser mal utilizado.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 Responses to Busybodysmo

  1. q diz:

    Mandar mails? Mandar mails?!!… Mas o que vem a ser isto? É o novo AO? Diz-se “enviar correio-electrónico”, rapazinho, “enviar correio-electrónico”!!! Já chegámos à Madeira ou quê?

  2. lili diz:

    Como diz o Antº Lobo Antunes, quem quer ser um bom escritor tem de ser também um bom leitor.

  3. Carlos Vidal diz:

    António, com muita pena minha (porque era um contendor interessante) o sr. Paulo Ribeiro despediu-se, nas suas palavras, do 5dias no meu post “Subscrevo João Miguel Tavares”. Fez-me pertinentemente um último desafio para eu negar e existência de Deus, uma vez que se os indícios contra Sócrates são indícios fortes, então tudo o que existe é indício forte da existência de Deus. E eu socorri-me de Descartes para lhe dizer que é, de facto, impossível negar a existência de Deus. Julgava-me ele um perigoso esquerdista, e enganou-se, pois sou um genuíno crente.

  4. António Figueira diz:

    Cheguei mais uma vez atrasado? Damned! Não mais esquecerei aquela hora: 16:18… E agora, que novo avatar irá o busybodysmo incarnar?

  5. Carlos Vidal diz:

    Há dois comentadores candidatos a tal (e com idêntica produtividade), um razoável, outro mais fraco. Mas, para já, não digo nomes.

  6. corvogodo diz:

    No que toca a futura historiografia da blogosfera portuguesa, este post é meio absurdo e, temo afirmar, com todo o respeito, irrelevante – uma vez que fenómenos de maior e ulterior envergadura ocorrem precisamente no preciso momento em que este artigo é publicado.

    Hoje, o dia Seis de Abril de Dois Mil e Nove (Calendário de Gregório), é uma data histórica: o JPP, do Abrupto, fez o seu primeiro artigo que consiste, não em política, não na dissecação dos jornais, não em poemas com orvalho, não na meditação sobre fotografias horríveis ou sobre astros distantes; mas na construção de uma graçola mundana.

    Ao fim de quase um decénio de coisas sérias e complicadas, hoje fomos brindados com uma análise posicional (experimental, digamos) e uma leitura muito dailymail sobre a hierarquia dos seres.

    Eis o link para o fenómeno: http://abrupto.blogspot.com/2009/04/indice-do-situacionismo-85-o-centro-do.html

  7. António Figueira diz:

    Caro Corvo,
    Eu pequenino me confesso – não ante JPP, mas ante essa legenda magnífica do DN que ele aponta: senti-me de novo no centro do mundo (e senti que que quem escreve coisas destas não se enxerga).
    Cumps., AF

  8. corvogodo diz:

    Ahahah. Tudo bem. O que eu gosto, deveras, é das setas e das bocarras a vermelho.

  9. Luis Filipe diz:

    “O Nuno farta-se de mandar mails”.

    Compreendo. O Nuno precisa que o pessoal escreva alguma coisa… caso contrário, o Nuno deixa de ter assunto para fazer ‘peças’ na tv.

  10. António Figueira diz:

    Fui apanhado. O Luís Filipe “compreendeu”. Confesso, sou eu que escrevo o script do telejornal da TVI e planto noticias insidiosas nas redacções dos jornais. Sou o apito de Lucílio Baptista e o braço de Pedro Silva. Sou a paranóia do Luís Filipe e muitas coisas mais.

  11. Camelo no buraco da agulha? diz:

    “O Nuno farta-se de mandar mails”

    Qual deles?
    http://31daarmada.blogs.sapo.pt/1002618.html

    De António de Almeida a 1 de Outubro de 2007 às 18:56
    -Qual Nuno Ramos de Almeida? conheço 2, em termos de escrita é claro, porque pessoalmente não conheço nenhum, um, o que escreve uns textos que se lêm, nomeadamente na FOCUS, com algum bom senso, num registo tolerante, outro, o que escreve no 5 dias, mais radical, num registo mais trauliteiro, intolerante, pouco democrático, por vezes voltando à tolerância, mas muito raramente.

  12. Luis Filipe diz:

    O Luís Filipe “compreendeu”.

    Por outro lado, o António Figueira “percebeu, mas não quis compreender”; culpa minha, de certo.

    Vou dizer de novo, ou seja, repetir. “O Nuno precisa que o pessoal escreva alguma coisa… caso contrário, o Nuno deixa de ter assunto para fazer ‘peças’ na tv.”

    Um abraço

  13. Camelo no buraco da agulha? diz:

    Quem cala… é melhor ficar calado (stop, se tope)

  14. Pingback: r. |

Os comentários estão fechados.