Quem é que devia ser processado por dar mau nome a Portugal?

Já sabíamos o essencial da gravação hoje emitida. Mas ainda me consegui indignar com aquela passagem do “he was just being stupid”. Aposto que os gajos não teriam tomates para dizer isto do Somoza, do Noriega ou de outro gabiru a sério.
Quanto ao relevante, continuamos na mesma: o dinheiro sumiu, o corruptor diz que corrompeu, mas do lado de cá só se sabe que o processo avançou mesmo feito foguete. Ainda vamos perceber tudo. Um dia. Digo eu, que sou homem de fé.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

28 respostas a Quem é que devia ser processado por dar mau nome a Portugal?

  1. lili diz:

    Fora de brincadeiras, quero perceber agora, estou farta de viver na República das Bananas.

  2. Luis, caga na forma e estuda bem o documento áudio. Ele não disse «he was just being fucking stupid». ‘Stupid’ até é carinhoso e reverencial, se queres que te diga.

  3. Luis Moreira diz:

    Sócrates deveria demitir-se.E Dias Loureiro tambem.Se não o fizerem fica claro que procuram o aconchego do poder para melhor se defenderem.E isso não é ético porque faz passar a ideia que podem exercer influências.E com isto não estou a dizer que são culpados. o Presidente da República não pode fazer de conta que não ouve e não vê.E não me venham dizer que são cálculos eleitorais. A Democracia não pode continuar dependente de um telejornal de sexta feira à noite!

  4. maria monteiro diz:

    Um dia? pelo andar da carruagem esse dia será mesmo quando as comadres se zangarem…

  5. lili diz:

    Vamos a eleições antecipadas, Luís Lavoura? 😀

  6. Camelo no buraco da agulha? diz:

    E que (tipo de) dependência é essa?
    Há mais estações de TV, de rádio, jornais… blogues!
    Cada um vê, ouve, lê… o que mais lhe agrada!
    Deviam demitir-se? Também há quem defenda o contrário… cargos até ao fim, inocentes até serem condenados!
    E o artigo e entrevistas do Bastonário da O.A.?
    A montanha pariu um rato?
    Ou cada um (só) vê, ouve, lê o que (mais) lhe convém?
    Por isso é que seria mais fácil passar no buraco da agulha…

  7. Patricia diz:

    Meu caro Luis Moreira,de facto a Democracia permite que qualquer telejornal de qualquer dia da semana diga aquilo que entender,contudo a Democracia tem regras,leis e Instituições,e neste momento está em curso por quem de direito um inquérito acerca do assunto de que fala o dito video,que em Portugal nem sequer seria aceite como meio de prova.Em Democracia os julgamentos são feitos nos Tribunais e não nos estúdios de televisão.

  8. zeca diz:

    Um vómito, os comentários do Sr Luís Rainha sobre uma conversa de fantasmas…
    Vá-se tratar urgentemente se faz favor, senão daqui a algum tempo pode ser um fardo mais pesado prá Seg Social!

  9. Camelo no buraco da agulha? diz:

    Já foi dito que a montagem do DVD é uma fita…
    A conversa não é em americano, por isso não há que fazer do stupid carinhoso nem, muito menos, reverencial (IMHO).
    Representante da Freeport já declarou que não houve buraco financeiro!
    Um dia saberemos… que nos ajude São Bastonário!
    Será mais fácil passar no buraco da agulha…

  10. Luis Moreira diz:

    Minha cara Patrícia, não podemos esquecer que este caso é mais um.Eu não condeno ninguem mas o PS já me fez o mesmo.As “notícias” do jornalismo de investigação são sempre ajuste de contas.Não há investigação nenhuma.O PS não pode agora armar que é uma donzela sem mácua.Está a comer do que ajudou a criar.E Sócrates (o PM) tem demasiado casos pessoais.É assim a Democracia e a vida de um político!

  11. Luis Rainha diz:

    Comentários sobre a conversa? Quais?

  12. Paulo Ribeiro diz:

    um dia, talvez não muito longe, quem agora c… lampanas com este assunto, vai ser obrigado a engolir toda trampa de volta pela goela! então temos notícia? temos sim senhor. vai haver processos por difamação!… e já é tempo, digo eu.

    ora vejamos um pequeno e rídiculo aspecto que faz toda a diferença para quem, obviamente, pensa pela sua cabeça: temos dois gajos que ou querem sacar ou justificar a maçaroca que terão recebido ou querem receber de um terceiro, que é, no caso, o capitalista. vai daí, uma grande conversa sobre a famigerada corrupção que grassa em portugal (é comum este tipo de conversa sobre os países do sul)… chiça! então não se vê logo?

  13. Sejeiro Velho diz:

    Sócrates deveria demitir-se…
    Já viu onde chegaríamos se os dirigentes eleitos devessem demitir-se cada vez que se levanta uma calúnia contra eles?
    Muita gente se queixa, por tudo e por nada, da nossa democracia! Eu não fujo à regra. Acusua de não responsabilizar aqueles jornalistas que sustentam as suas notícias em: “fulano terá dito…” cicrano terá recebido…”

  14. Não sabia que por se cevavam de vácuo um conjunto de adoradores da Besta. E furiosos too.

  15. Um dia ainda vamos perceber?! Ora, ora…então não percebemos já?

  16. Sejeiro, aliás Sujeiro:

    “Acusua”

    Olhe, eu acuso-o de andar nas Novas Oportunidades e, pelos vistos, não lhe servir de nada.

  17. TRANSCRIÇÃO DO CORREIO DA MANHÃ(MAIS COMPLETA)
    Alan Perkins – O que desencadeou a acção da polícia? A queixa era sobre corrupção?
    Charles Smith – O primeiro-ministro, o ministro do Ambiente é corrupto.
    Alan Perkins – Quando tudo estava a ser construído qual era a posição dele?
    Charles Smith – Este tipo, Sócrates, no final de Fevereiro, Março de 2002, estava no Governo.. Era ministro do Ambiente. Ele é o tipo que aprovou este projecto. Aprovou-o na última semana do mandato dos quatro anos. Em primeiro lugar, foi suspeito que ele o tenha aprovado na último dia do cargo. E não foi por dinheiro na altura, entende? Isto foi mesmo ser estúpido.
    Alan Perkins – Quando foram feitos os pagamentos? Como estava em posição de receber pagamentos se aprovou o projecto no último dia do cargo?
    Charles Smith – Foram feitos depois. Ele pediu dinheiro a dada altura, mas não…João, foi aprovado e pagamentos foram posteriormente?
    João Cabral – Certamente. Houve um acordo em Janeiro. Eles tinham um acordo com o homem do Sócrates, penso que em Janeiro.
    Charles Smith – Sean (Collidge) reuniu-se com o tipo. Sean reuniu-se com funcionários dele, percebe? Sean e Gary (Russell) reuniram-se com eles.
    Alan Perkins – Houve um acordo para pagar?
    Charles Smith – Para pagar uma contribuição para o partido deles.
    ( ……. mostra contrato)
    Nós fomos o correio. Apenas recebemos dinheiro deles. Demos o dinheiro a um primo, a um homem.
    Alan Perkins – Mas como o Freeport vos fez chegar esse dinheiro?
    Charles Smith – Passou pelas nossas contas.
    Alan Perkins – Facturaram ao Freeport, ok?
    Charles Smith – Ao abrigo deste contrato. Era originalmente para ser 500 mil aqui. Desacelerámos,
    parámos a este nível, certo? Isso foi discutido na reunião, lembra-se? Ele disse: “Nós não queremos pagar”. Se ler esse contrato diz é que recebemos três tranches de 50, 50, 50. Gary disse: Enviamos o dinheiro para a conta da vossa empresa.
    Alan Perkins – Facturaram profissionalmente.
    Charles Smith – Sim.
    Alan Perkins – Entrou na vossa conta.
    Charles Smith – Entrou e saiu logo a seguir.
    Alan Perkins – Como sacou o dinheiro?
    Charles Smith – Em numerário. Foi tudo transacção em numerário durante dois anos. Tem de compreender, não sou assim tão estúpido. Posso ter sido estúpido para fazer isto, mas fui esperto o suficiente para o fazer em pequenas quantias de 3 mil, 4 mil euros. É por isso que demorámos dois anos a pagar isso.
    Alan Perkins – Era do género pequenos envelopes castanhos por baixo da mesa.
    Charles Smith – Por baixo da mesa, exactamente.
    Alan Perkins – A quem? Imagino que o ministro.
    Charles Smith – Ele tinha agentes. Ele, o próprio, não está envolvido.
    João Cabral – Um primo.
    Alan Perkins – Ele tem um primo?
    Charles Smith – Sim.
    Alan Perkins –Você só tinha de se encontrar com ele num sítio qualquer e…
    Charles Smith – Pois. Mas Gary e Sean encontraram-se inicialmente com eles num hotel de Lisboa e discutiram o assunto. Eles queriam um milhão.
    Alan Perkins – Um milhão!
    Charles Smith – Compreendo que a Freeport se queira distanciar.
    Alan Perkins – 150 mil passaram pela vossa conta. Você pagou isso?
    Charles Smith – Sim.
    Alan Perkins – E agora ficou com a conta dos impostos.
    Charles Smith – Exactamente.
    Alan Perkins – Pois. E foi este tipo, o Sócrates, não foi?
    Charles Smith – Eh….não, não foi…Ele não esteve pessoalmente envolvido nisso…Inicialmente esteve mas…
    Alan Perkins – É ele o ministro?
    Charles Smith – Ele agora é o primeiro-ministro.
    Alan Perkins – Ele agora é o primeiro-ministro. Portanto, ele recebeu o dinheiro mas recebeu-o através do primo ou…
    Charles Smith – Sim, sim!
    Alan Perkins – Esses pagamentos foram feitos quando?
    Charles Smith – Foi em…deixe-me ver a tabela. João, foi em Março de 2002?
    João Cabral – Foi aprovado.
    Alan Perkins – Então, quando os pagamentos foram efectuados?
    Charles Smith – Em 2002/2003.
    Alan Perkins – Porque foi necessário pagar se o tipo já estava fora do cargo? Foi só por ter havido um acordo?
    Charles Smith – É. Tinha havido um acordo.
    Alan Perkins – Mas a aprovação do projecto foi quando ele estava no poder.
    João Cabral – Sim.
    Alan Perkins – Como ministro do Ambiente deu aprovação. Havia um acordo sobre o pagamento e os pagamentos foram depois, embora ele já não estivesse no Governo.
    João Cabral – Certo.
    Alan Perkins – Esses pagamentos foram honrados, não foram?
    João Cabral – O Sócrates tinha grandes ligações. É por isso que toda a gente tem medo de não pagar. É melhor continuar a pagar.
    Charles Smith – O que aconteceu foi na fase em que ele disse: “Eu consigo que vos aprovem isto”
    Alan Perkins – Sim.
    Charles Smith – Falem com o meu primo. Então eu e o Sean reunimo-nos com o primo e o primo disse: “Vamos conseguir essa aprovação”.

  18. Temos por cá uma multidão repetida desesperadamente apostada em distorcer o impacto dos factos e as respectivas consequências nu Estado saudável e avançado. A decadência portuguesa faz-se e muito da sabujice mais impenitente.

  19. so’ um ‘a parte, nao se resiste:
    http://aeiou.expresso.pt/socrates_e_fernanda_cancio_vaiados_no_ccb=f505896

    nao ‘e delicioso? isto ja’ nao ha respeito. entretanto socrates vai processar todos os presentes no CCB e f. prepara ja uma analise profunda e imparcial sobre a vaia negra.

  20. Paulo Ribeiro diz:

    plaff! plaff! plaff! aha…muito bem! está… então… perfeitamente provado que temos um bando de criminosos com honra! demasiada honra!

    ah… e um pm humano! demasiado humano!

    está tudo demasiado certo e conveniente… existem provas irrefutáveis da participação no crime e atestadas por sentença de um tribunal colectivo internacional composto por dois ingleses e um português.

    sentença assaz curiosa e que acaba de transitar em julgado por decreto especial da manela m. g. e de alguma outra boa imprensa.

    todos, tão ciosos da sua boçalidade parecem esquecer-se dos detalhes impressionantes e aspectos serenos da coexistência em democracia, da beleza do inocente até prova em contráro, entregam-se com afinco à doentia diversão de difamar o pm, o que, aliás, sempre me vai parecendo coerente com um raciocínio de um sábio bizantino do século XII (jan tzetzes) para quem a cabeça do homem é a mais perfeita embalagem para se acondicionar imensas quantidades de merda. agora, lamento, mas continuo sem saber se o pm é culpado ou inocente!

    para lá de deixar a justiça fazer o seu trabalho, sei uma coisa: eu não sou culpado de nada semelhante. sou daqueles que ainda acha pouco provável que um tipo não propriamente indigente e sem vícios caros ocultos (já se saberia), com presente e futuro na política, se vá colocar no colo de um gang a menos que tenha uma pistola apontada à nuca! mas isso sou eu. por outro lado e porque ainda estou neste estado de pureza, não desato a acusar sem provas. mas os meus amigos nesse tom de dedo em riste, pelos vistos, já sabem o mecanismo da coisa. digam-me… é experiência do toque no alheio, cupidez politiqueira ou, apenas saloiice terceiro-mundista? é que venha o diabo…

  21. Luis Rainha diz:

    Mas quem é que deu por provado que o homem é culpado? Ai essa tua queda para a vitimização melodramática… Já não tens idade para esses ademanes.

  22. Carlos Fernandes diz:

    Ò Sr. Paulo Ribeiro, ninguém quer fazer substituir os tribunais pelas redacções, como é obvio, agora a imprensa tem de fazer o seu papel. E mais importante, a bem, sobretudo da Democracia e do Regime, a Justiça tem de fazer o seu papel também, e não o deveria fazer pressionada pela Imprensa, como infelizmente por vezes parece suceder.

    Mas o Sr. , que é manifestamente tão inteligente, ao contrário de nós, semi-estúpidos, explique lá porque raio tiveram aqueles três homens aquela conversa comprometedora num certo dia e num certo local de Portugal… Explique-nos tb., já agora, os milhões nas Offshores, donde vieram…

    Ou, (isto para lhe não pedir para ir ver o estado do tempo), como proclamava a plenos pulmões um filósofo marroquino coxo e mentecapto do século XVIII, em plena chuva torrencial “Quando é que começa a chover?”…

  23. Luis Moreira diz:

    O problema é que são casos a mais com gente das relações e até familiares de Sócrates.Não é um caso, como parece que alguns aqui acreditam.Na Cova da Beira não estão tambem pessoas das relações de Sócrates? Não se trata de ser ou não culpado.Eu nunca considerei uma pessoa culpada por causa das “notícias” destes jornais “investigadores!” Sei como se faz “investigação jornalística” e sei o que os jornalistas depois dizem em tribunal.Não é por aí !É porque a vida de Sócrates é um atropelo contínuo de uma normalidade que é exigivel a um político, para mais PM!

  24. Sejeiro Velho diz:

    Senhor Bispo de Beja
    É verdade que sou disléxico. Tendo a escrever como pronuncio. Mas isso não obsta a que tenha bom aproveitamento nas Novas Oportunidades. Sabe, é que ortografia não é o mais importante: podem escrever-se as maiores barbaridades em correctíssimo português. Por exemplo:
    “Os homens são mais inteligentes que as mulheres”
    “Asmolhéres ção tam imtligêntas comus ómães”
    Qual prefere?

  25. lili diz:

    Palavrossuvrus rex,

    Transcrição do Diário de Notícias:CASO FREEPORT
    Charles Smith desmente injúrias a José Sócrates
    por LusaHoje

    O britânico Charles Smith, gerente da Smith & Pedro, consultora do Freeport, desmentiu hoje em comunicado que alguma vez se tenha referido ao primeiro-ministro tuguês, José Sócrates, de forma injuriosa.

    “Mantive durante anos muitas reuniões com os administradores, nomeadamente Alan Parkins, algumas na presença de João Cabral e outros colaboradores para discutir questões relativas ao empreendimento”, mas “é falso que alguma vez, naquelas reuniões, ou em qualquer outra oportunidade, me tenha referido ao primeiro-ministro de forma injuriosa, bem como a qualquer outro político, ou tenha oferecido, ou prometido contrapartida, ou vantagem, para obter o licenciamento do Freeport”, garante no comunicado, a que a Agência Lusa teve acesso.
    “As notícias de que certa comunicação social tem feito eco sobre o meu envolvimento não passam objectiva e subjectivamente de uma campanha orquestrada, desde há anos, por interesses que me ultrapassam mas que, ao utilizarem-me, atentam contra o meu bom nome, a minha honra e a minha pacífica presença em Portugal”, explica.
    Charles Smith é firme, a concluir: “Procurarei desmascarar a perseguição e exigir responsabilidades, por todos os meios que a lei me permitir”.

    in http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1184591

  26. lili diz:

    Eu preferia, pelo que me toca, que sou mulher, que o bispode beja me deixasse em paz e fosse dar banho ao cão.

  27. Que estúpido ou animal feroz aterroriza Smith ao ponto de escrever esta declaração estar num Português correcto com o paleio que certos acessores preparam?

  28. lili diz:

    Não estava à espera de um comunicado em linguagem coloquial, ou estava?!

Os comentários estão fechados.