De como os “pequenos” gostam (afinal) do “Bloco Central”


PCP, CDS, Bloco de Esquerda e PEV passam o tempo a criticar (e bem) o chamado “Bloco Central”. Toda a gente sabe que esse “bloco central” PS+PSD existe mesmo. O dos interesses (toma lá a CGD, dá cá o BCP; toma lá a EDP, dá cá a REN; etc etc) e um “bloco central” político (divergir no acessório com grande estardalhaço e concordar no essencial em modo pianíssimo). Estes dois “blocos centrais” estão indissociavelmente ligados. Distribuem entre si os lugares e os negócios, vedando-lhes o acesso a quem vem de fora. No Parlamento, o “bloco central” impõe-se pela exigência de maioria qualificada (dois terços) em várias votações.
Ora bem: nesta legislatura, em termos de equilíbrios parlamentares, o “bloco central” tem estado mais fragilizado. A razão é simples: o resultado do PSD foi tão mau tão mau em 2005 ( 28,77%) que tornou o partido dispensável para as tais maiorias de dois terços. Em rigor, o PS pode obtê-las com os outros partidos da oposição. E isso, aliás, já aconteceu. Que eu me lembre pelo menos na votação final do novo Estatuto Político-Admnistrativo dos Açores. O PSD absteve-se, todos os outros votaram a favor. Nessa ocasião, o “bloco central” não funcionou.
A eleição do novo Provedor de Justiça (que exige dois terços) daria pretexto a isso se repetisse. O PSD parece irredutível e recusa qualquer nome que não seja por si indicado. O PS pôs Jorge Miranda em cima da mesa (digamos assim…) e há a possibilidade, aritmética, de o nome passar sem o PSD, só com a conjugação de votos PS+PCP+CDE+BE+PEV+dois deputados não-inscritos.
Até agora não surgiu no panorama político-parlamentar uma alma, uma que fosse, dizendo que Jorge Miranda não tem perfil para ser Provedor. Ninguém. Mas, à pala de queixinhas protocolares, alguns “pequenos” da oposição parlamentar (PCP+CDS) ameaçam chumbá-lo. O que me permite concluir que são tão cínicos o PS e o PSD quando juram que não há “Bloco central” quanto os “pequenos” quando juram que lhe fazem oposição. O “Bloco Central” dá muito jeito a muita gente. A começar por aqueles que se sustentam nele, criticando-o, para se legitimarem como a “verdadeira” oposição.

Sobre João Pedro Henriques

Jornalista
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to De como os “pequenos” gostam (afinal) do “Bloco Central”

  1. Tiago Mota Saraiva diz:

    Caro JPH, pelo que percebi terá sido o próprio PS a retirar de cima da mesa o nome de Jorge Miranda.
    Vai uma aposta em como PS e PSD se acabam por entender…
    Na nomeação para a CGD já foi o mesmo arrufo. Quem não se lembra das declarações de Menezes do tipo “a CGD é para nós”.
    E não foi por ter uma administração do PSD que a CGD não cumpriu o seu papel histórico de (a)pagar os fogos do governo com o dinheiro que todos lá colocamos.

  2. Fantástica a imagem. Interessante texto, embora ache que há diferenças assinaláveis entre o bloco central e os outros. Seria até esclarecedor do ponto de vista das escolhas políticas que o centrão fizesse um novo de governo unificado. Podiam até criar o PI (Partido dos Interesses), até podia ter o professor Jorge Miranda. A parti dai não haveria disfarces. Os eleitores já sabiam ao que vinham.

  3. Caro Tiago,
    O PS mantém o nome de Jorge Miranda em cima da mesa. Só falta ter a certeza que o levará a votos. Até agora ainda não disse que não o faria.

  4. Carlos Vidal diz:

    Nuno
    Partido dos Interesses é o nome cincidente com a realidade, mas não é viável.
    Viável talvez fosse Partido Institucional Português (à mexicana).

  5. Tiago Mota Saraiva diz:

    João, eu talvez esteja a ser demasiado formalista, mas nestas coisas, quando um partido revela um nome de uma forma isolada e sem o acordo dos outros, é porque esse nome já era.

    Acrescento ao rol de propostas de nomes para O novo partido: Partido Revolucionário Institucional Português (PRIP)
    Assim talvez ainda consigam apanhar um ou outro voto da esquerda desatenta.

  6. j diz:

    «é porque esse nome já era»

    Óbvio, não é!
    É claro que trazer o nome a público da forma como o fez, e sobretudo no contexto e no tempo em que o fez, o PS apenas pretendeu jogar com a opinião pública, do género: – estão a ver, ainda não há novo provedor porque o PSD não colabora.

    Ainda por cima, a personalidade em questão (foi meu professor, já lá vão mais de vinte anos… porra, que estou a ficar velho) é um “professor Doutor”, como disse o outro, só que, neste caso, de Lisboa 🙂

    É uma tristeza esta forma de fazer política…

Os comentários estão fechados.