A/C inscritos na Ordem dos Arquitectos que circulam pelo 5dias

Tenham medo disto. Tenham muito medo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to A/C inscritos na Ordem dos Arquitectos que circulam pelo 5dias

  1. Su diz:

    Tiago, grande coincidêndia postares sobre isto!
    Acabei de ter um ataque de nervos, porque a minha declaração caducou há uma semana e tenho um licenciamento prontinho, pendente agora, à espera que me mandem isto de lisboa por correio, sim, que a delegação dos Açores não presta esse tipo de serviço. Apesar disso, e de me ver limitada no acesso a esse tipo de serviços, não há qualquer redução no valor de quotas para membros insulares (que tenho de pagar agora, senão não há declaração para ninguém).

    Pergunto: faz algum sentido não termos uma carteira profissional, sei lá, um cartãozinho? Se estou inscrita na OA e possuo habilitações para exercer os actos próprios da profissão, porque raio me passam uma declaração comprovativa com validade de 6 meses? Ao fim desse tempo sou menos capaz de exercer? É o facto de pagar quotas que me valida?!

    Segundo…. com tanta coisa que se passa por aí, nomeadamente desemprego, fecho de ateliers e, sobretudo, dumping de honorários por gabinetes que escravizam estagiários e arquitectos que trabalham na função pública, é o não pagamento de quotas por UM TRIMESTRE que leva a participação disciplinar junto do Conselho Regional de Disciplina?!?! Estão a gozar comigo…

    Esta gente anda muito distante dos problemas que assolam a classe (aquela pergunta dos 3 desejos para este ano foi uma anedota das boas) e tem muito a aprender com a ordem espanhola e até com ordem dos engenheiros portuguesa.

    Sindicato pá…. sindicato já!

  2. Su diz:

    Ah, e que dizer da revisão da portaria que regula o cálculo de honorários referentes aos projectos de obras públicas, ao qual foi retirada a percentagem em função dos valores de obra? é isto que a ordem diz:

    “A este propósito, a Ordem dos Arquitectos não pode deixar de registar o seguinte:
    a) Este processo é de extraordinária importância para o exercício da profissão de arquitecto em Portugal e, enquanto tal, da qualidade do ambiente construído e do interesse público;
    b) A OA foi ouvida muito tardiamente em todo este processo, e só foi ouvida porque instou o Instituto da Construção e do Imobiliário (InCI), em carta enviada a 27 de Maio, acerca do mesmo;
    c) Apenas no dia 8 de Julho, em reunião com o InCI, foi solicitado à OA a emissão de parecer sobre a nova Portaria;
    d) Ainda assim, nenhuma das sugestões do parecer da OA, elaborado em tempo muito curto (e enviado ao InCI a 21 de Julho), foi contemplada na redacção final da nova Portaria;
    e) A OA não tomou conhecimento da redacção final da nova portaria;
    f) Esta redacção final não toma em consideração, entre outros aspectos, definições existentes noutros diplomas, como é o caso do Regime Jurídico da Urbanização e Edificação, e pode diminuir o trabalho em curso acerca da substituição do Decreto 73/73.

    Considerando esta situação absolutamente lamentável, que pode pôr em causa o excelente relacionamento que a OA tem mantido com o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a Ordem dos Arquitectos irá procurar agendar uma reunião muito urgente com Sª Excª o Senhor Ministro do MOPTC, Engº Mário Lino.
    Conselho Directivo Nacional da Ordem dos Arquitectos
    Lisboa, 30 de Julho de 2008”

    já quando foi do diploma de acessibilidades também se queixaram que não foram ouvidos, ou muito tardiamente e blá blá blá…
    Andam sempre a dormir, que raio!!

  3. Su diz:

    Ainda ontem discutia com um colega que a aplicação do diploma 60/2007, supostamente SIMPLEX, anda a dar uma confusão das antigas nalgumas câmaras.

    E ao fim de todo um processo de licenciamento e consulta, depois da obra construída, ainda nos habilitamos a ter médicos da delegação de saúde armados em técnicos, fazendo “interpretações” de regulamentos, a chumbar tretas nas vistorias e não há licença de utilização para ninguém…

    São estas burocracias, a par com funcionários que exercem discricionariamente o pequenino poder que têm, que nos dão cabo do juízo e acabam moendo a paixão que a malta insiste em ter pela arquitectura.

    Desculpem o fel.
    É que o Tiago falou do assunto certo à (minha) hora errada… 🙂

  4. Tiago Mota Saraiva diz:

    “O ministro das Obras Públicas revelou hoje ter obrigado a um entendimento entre as ordens dos Engenheiros e Arquitectos, para renovação de uma lei com 36 anos que define as responsabilidades dos intervenientes nos projectos.”
    (http://www.acorianooriental.pt/noticias/view/181879)

    Triste ministro. O ministro da República que tem nas mãos uma lei quadro que vai (re)organizar competências dentro do sector da construção em Portugal, pensa que isto é uma matéria que se resolva entre dois grupos profissionais…
    Triste ministro.

  5. Tiago Mota Saraiva diz:

    Su, nunca experimentei, mas julgo que podes pedir que a declaração seja enviada (digitalizada) por email. O que te serve é uma cópia, certo?

  6. Tiago Mota Saraiva diz:

    Só agora vi o teu último comentário.
    Está no âmbito do “retrocesso civilizacional que a maioria absoluta do PS tem imposto através de sucessivas reconfigurações legislativas” de que falava ontem.

Os comentários estão fechados.