NADA É PROIBIDO e que viva a convergência

Duas pequenas notas sobre o Congresso do Partido Socialista (para pensar) e, por fim, uma homenagem ao referido Congresso, que poderia deste modo fechar em grande:
1ª nota: Manuel Alegre não vai estar presente neste encontro magno de Sócrates (mas o PS disse estar Alegre na Comissão de Honra do Congresso, e eu espero um esclarecimento, senão, creio, NO FUTURE para o ainda deputado)
2ª nota: Francisco Louçã agradece ao PS ter sido eleito o seu inimigo principal. E quem elegeu Louçã inimigo principal? Foi essa grande e lendária figura das convergências à esquerda, António Costa, que disse, e muito bem dito – que o Bloco de Esquerda não pode ser parceiro de governação (que Deus nunca permita tal, é o que eu espero, e que Deus preserve Louçã de qualquer contacto com o PS/Sócrates), e que o Bloco não passa de um parasita da desgraça dos outros. [Destaque]
Sempre apreciei muito A. Costa, figura lendária da esquerda, e acho sinceramente que todos, sem excepção, deveríamos já lançar-nos em convergências com A. Costa, para a CML e o que for necessário.
3ª nota: proponho um fecho em grande para o congresso – Ana Malhoa, voz da liberdade e o seu magnífico “Nada é Proibido”

Bom, e assim encerro a minha magnífica cobertura do Congresso de Espinho do Partido Socialista. Até ao próximo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to NADA É PROIBIDO e que viva a convergência

Os comentários estão fechados.