Uma das tais “coincidências a mais” que deixam o cidadão a pensar

Há umas semanas, Cândida Almeida não teve pejo em prestar declarações do calibre de «Compreendo que Sócrates fale de ‘campanha negra’»; «Se fosse um cidadão como ele também pensaria que há coincidências a mais».

Mais uma dessas coincidências excessivas veio agora a lume: o responsável pelo ICN quando este organismo  autorizou a construção do Freeport veio depois a trabalhar para a empresa dos dois arguidos conhecidos. Se adicionarmos a tal acaso as confusões que circundaram o processo dentro do ICN, só podemos dar razão à imparcial magistrada: isto tudo já é mesmo «a mais».

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

1 Response to Uma das tais “coincidências a mais” que deixam o cidadão a pensar

Os comentários estão fechados.