“MAMAN” – estes dois estão loucos (ou não, mas não lhes perdoem, porque eles sabem muito bem o que fazem)

 

“MAMAN”, de LOUISE BOURGEOIS (em Bilbao).
1.
Quase que mete dó ver Vital Moreira, do seu excelso «Causa Nossa» (que causa? que nossa?), sozinho, sem a companhia de uma única linha da colega Ana Gomes (que nem uma única linha!!! dedicou a Sócrates/Freeport), quase que mete dó vê-lo, em dezenas e dezenas de posts, defender o que, neste momento, é indefensável: que J Sócrates nada tem a ver com a questão “Freeport”, que está em campo uma tentativa de assassinato político do PMinistro, uma manobra negra (V. Moreira usa aspas, mas não deixa de pedir a intervenção do Presidente da República [??]). Por fim, sobre as pressões que o director do «Sol» diz ter sido sujeito, escreve o homem da «Causa»: «Ao denunciar publicamente uma tentativa de pressão sobre o Sol no caso Freeport, imputada a alguém «próximo do primeiro-ministro, mas que não pertence ao Governo», J. António Saraiva tem a estrita obrigação de identificar o autor.» Pois, J. António Saraiva tem a obrigação que este teórico da «campanha negra» não tem (quem são os poderes ocultos que querem destruir o PS? Digam, PSs, digam). E como é que um homem do direito, um jurista (acho eu) chama «campanha negra» a uma investigação que está em curso?
2. Por último, o inconfundível A Santos Silva, no Público, assim resume a vida portuguesa, desde 2003: «em 2003 foi a cabala da Casa Pia, em 2005 a campanha negra, em 2009 a tentativa de assassinato político de Sócrates por poderes ocultos». Toda a vida da sociedade portuguesa se resume a isto para esta gente: não há desemprego, não há fome e pobreza, não há défice nenhum, nem problemas na saúde nem na educação – apenas há, desde há muito, uma tentativa de decapitar o PS! A vida portuguesa desde há 6 anos é o PS a defender-se! Nada mais!

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

21 Responses to “MAMAN” – estes dois estão loucos (ou não, mas não lhes perdoem, porque eles sabem muito bem o que fazem)

Os comentários estão fechados.