Homenagem a D. José Policarpo*

sarajevo-cemiterio
A última vez que alguém, na Europa, teve o mesmo pensamento que o cardeal-patriarca de Lisboa deu nisto: juntos, juntos, só no cemitério.
Quando andei em reportagens pela guerra da Bósnia escrevi isto que agora dedico aos josés policarpos desta vida:

Três miúdos, entre os seis e os dez anos, fazem um “slalom” num dos jardins principais do centro de Sarajevo. Montados em trenós, fintam uma campa e outra e mais outra, deslizando sempre sobre a neve espessa e alta até chegarem à beira da estrada. Fazem autênticas razias sobre os pequenos montes com cruzes ou pedaços de madeira que prestam homenagem aos mortos. Sob a neve e debaixo da terra repousam meros cadáveres. Em vida, eram crentes muçulmanos, ortodoxos, católicos. A guerra dividiu-os, a morte juntou-os. Já não cabiam nos cemitérios – o maior da cidade já apresenta a lotação esgotada e até as imediações do estádio olímpico, que acolheu os Jogos de Inverno, em 1980, foram ocupadas. Não resta outra solução do que a começar a enterrar os mortos nos jardins da cidade. Ou em qualquer espaço livre que estiver mais perto.

*Publicado no Correio Preto

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Homenagem a D. José Policarpo*

  1. Pingback: Homenagem a D. José Policarpo* : europa

Os comentários estão fechados.