Gaza, Jenin, Sabra, Chatila, os massacres de Israel, ainda e sempre (e mais um case study)

Esta foto é de Gaza. Há milhões de outras iguais de outros lugares da Palestina mostrando a obra de Israel nestes últimos 60 anos.
Tenho escrito sobre Israel tomando como referência Edward W. Said e Daniel Barenboim, um palestiniano e um judeu que acreditam que a música é política. Tenho recebido comentários absolutamente desprezíveis a este propósito, uns chamando animais (!?) a Said e a Berenboim, mas mais a Said (talvez por ter sido um árabe de Nova Iorque, não sei), outros comparando Allende (?????) a Hitler e ambos ao Hamas (porque todos foram “ditadores eleitos”), e todos eles à sociedade palestiniana (que é sub-humana e inferior, para essa gente, porque votou Hamas em Gaza).
De todos os comentários e palavreado um blogue chamado “Fiel Inimigo”, pela sua obsessão fascizante, me despertou a atenção (arruma o 5dias, o arrastão e o sem muros numa secção chamada “campo de tiro” !!). Os comentários que recebo são assinados por um tal “Range-o-Dente”. São tão desprezíveis que assumindo e clamando em voz alta o meu gesto como gesto de liberdade e intervenção, não os apago, mostro-lhos e literalmente os despejo na própria caixa de comentários do tal “Range-o-Dente”. Sugiro-lhe depois que faça sangue com eles, muito sangue. 

E peço-lhe que daí, dessa sua casa, o Fiel-Inimigo, me tratasse como quisesse: terrorista, hamasiano, etc. Como o homem faz disto uma questão pessoal e eu não sou tolerante, disse-lhe expressamente que não sou seu interlocutor. Como não tenho que ler os livros de Paulo Coelho ou de Margarida Rebelo Pinto (que nada têm a ver com isto). O homem tem batido várias caixas de outros bloggers daqui, 5dias, queixando-se porque quero pôr os indesejáveis na fronteira. Escapa-lhe uma coisa: EU NÃO ESTOU A PÔ-LO NA FRONTEIRA, HOMEM, ESTOU A PÔ-LO NA SUA PRÓPRIA CASA !! E lá, na casa dele, exponho-lhe as minhas opções. Nela tenho sido “analisado” de todas as maneiras, e de formas sempre muito interessantes. E não estou a ironizar: o blogue dele está linkado. Que é que ele quer mais? Que lhe diga boa tarde? Que o felicite? Que o convide para jantar e para o 5dias? Tenho mel na blusa?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

56 Responses to Gaza, Jenin, Sabra, Chatila, os massacres de Israel, ainda e sempre (e mais um case study)

Os comentários estão fechados.