Um partido demitido

Se eu fosse líder, demitia-me, bolçou Menezes. Se eu fosse conselheiro de Estado, demitia-me, sibilou Pacheco Pereira. Se eu fosse líder parlamentar, demitia-me, alvitrou agora o Marco António do costume.
Eu, se fosse o PSD, começava já a empilhar víveres para mais uma legislatura de hibernação.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to Um partido demitido

Os comentários estão fechados.