Ainda a crise: agencias de notação

Um dos aspectos mais absurdos da actual crise financeira é o papel das empresas de notação. Para quem não conhece os meios financeiros trata-se de empresas privadas que atribuem notas (certamente já ouviram falar em AAA ou B-) a produtos financeiros, no caso mais corrente atribuem notas à dívida de outras empresas mas podem também atribuir notas a produtos estruturados como as tranches dos célebres subprimes. As notas atribuídas por estas empresas são largamente utilizadas como medida de risco de diversos investimentos, por exemplo, é comum ver os bancos proporem aplicações financeiras “seguras” baseando-se no facto de o capital ser investido em títulos com boa notação.


Quando examinamos de mais perto o funcionamento da notação tomamos consciência de alguns aspectos absurdos do sistema: o primeiro é o facto de as empresas serem remuneradas por quem emite os produtos, é um pouco como se os alunos pagassem directamente ao examinador no fim dos exames, o segundo é os estados darem cobertura a um sistema completamente opaco, quando a reserva federal americana estipula que os bancos devem ter uma determinada percentagem de activos investida em títulos de nota, por exemplo, AAA está implicitamente a aceitar a validade dessas notas.

Do meu ponto de vista se o estado dá valor a uma nota deve impor regras claras tanto no que diz respeito à forma de atribuir as notas (critérios, regras, etc) como no que diz respeito à deontologia (por exemplo editando regras sobre os conflitos de interesses).

A actual crise prova que como noutros sectores os mercados financeiros necessitam de regulação, tal como é impensável que um estado possa deixar um supermercado vender comida venenosa também na finança é, para mim, evidente que os estados devem impedir os actores do mercado de vender gato por lebre.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to Ainda a crise: agencias de notação

  1. z diz:

    estás perante aquele enorme embuste chamado engenharia financeira, a inteligência e a Teoria das Probabilidades chamadas a enganar o cliente, e que faz isso é ‘esperto’

    na lama

  2. Luis Rainha diz:

    Andam por aí uma revelações engraçadas sobre o funcionamento dessa malta: http://5dias.net/2008/10/23/vacas-loucas-na-alta-financa/

Os comentários estão fechados.