Do marxismo enquanto hobby: O coleccionador de revolucionários, segundo Isaiah Berlin

“[He] recognizes the magnitude and the fascination of the man he is describing; but being free from all political or emotional bias, he has instead developed the interest of a collector in an exceptionally odd and fascinating piece. He is a connoisseur of nineteenth-century revolutionaries as others of rare ivories or butterflies; and he treats them with the same delicate, well-informed, faintly proprietorial interest.”

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Do marxismo enquanto hobby: O coleccionador de revolucionários, segundo Isaiah Berlin

  1. pcarvalho diz:

    Já que parece tão versado em marxismo (Marxismo,digo eu!) em hobbies e em inglês,espero que não seja como o do engº(que é uma merda) tem aqui um hobby( ou um hóbi?) se conseguir ler este ‘piqueno’ texto de Jorge Beinstein
    http://www.odiario.info/b2-img/crisebernstein.pdf

  2. Estranho muito que, por estes dias, a questão da “presunção da inocência” seja tão defendida por quem durante três anos em que fui acessor de Valentim Loureiro sempre praticou convictamente a doutrina da “presunção da culpa”…
    http://aoutravarinhamagica.blogspot.com/

  3. ezequiel diz:

    os historiadores são coleccionadores?

Os comentários estão fechados.