Sair da crise: propostas do presidente da OMC

Pascal Lamy é o actual presidente da Organização Mundial do Comércio, o organismo internacional cuja missão é o controlo do comércio internacional, ou seja, o organismo encarregado de vigiar o bom andamento da mundialização das trocas comerciais.

O Monde publicou este fim de semana uma entrevista de Pascal Lamy onde é abordada a actual crise financeira e são propostas algumas ideias para evitar futuras crises.

Algumas propostas vão no bom sentido, nomeadamente a ideia de criar um sistema de protecção social mundial, no que toca aos mercados financeiros as propostas são muito vagas, ficamos sem saber o que pensa Pascal Lamy da criação de um mercado organizado (exchange) para os Credit Default Swaps (CDS), como resolver o problema das agências de notação, etc.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 Responses to Sair da crise: propostas do presidente da OMC

  1. Model 500 diz:

    (…)ficamos sem saber o que pensa Pascal Lamy da criação de um mercado organizado (exchange) para os Credit Default Swaps (CDS), como resolver o problema das agências de notação, etc.”

    E o que o Pedro Ferreira pensa? Isso é o que eu gostava mesmo de saber.

  2. Model 500 diz:

    Uma forma de resolver o problema do conflito de interesses das agências de notação é fazer com que o trabalho que estas ag~encias realizam seja remunerado não por quem emite e vende os títulos, mas sim por quem os compra.

  3. Pedro Ferreira diz:

    Meu caro Model 500 deixarei para um artigo posterior uma explicação mais detalhada do que penso. O meu plano original era de publicar mais dois artigos “técnicos” relacionados com a crise antes de publicar um artigo com a minha opinião sobre algumas coisas que devem ser feitas.

    Respondendo à sua questão, na minha opinião seria interessante criar um mercado organizado de CDS, que não são mais que instrumentos de seguro de crédito, o que daria maior segurança e liquidez ao mercado de obrigações que, do meu ponto de vista, é uma forma interessante de financiamento das empresas. Em relação ás agências de notação penso que se impõe uma acção drástica dos estados, a crise dos sub-primes mostra bem que o sistema actual não funciona.

  4. Model 500 diz:

    Como é possível que este mercado dos CDS que representa vários biliões de dólares, e é no fundo todo ele risco, possa ter andado em total rédea solta?

  5. Model 500 diz:

    Transaccionar os Credit Default Swaps (CDS), em mercados cotados à vista de todos para reduzir o risco de incumprimento dos investidores também me parece uma inevitabilidade.

  6. Pedro Ferreira diz:

    É evidente que algo está errado quando as agências de notação são pagas por quem emite títulos. No entanto, remunerar as agências por quem compra também não resolverá o problema, imagine o poder que teria um fundo de investimento capaz de comprar uma parte substancial do capital (ou da dívida) de uma empresa. As manipulações tanto se fazer para aumentar como pra diminuir ou valor dos títulos.

  7. Luis diz:

    Pascal Lamy, o antigo Comissário Europeu para o Comércio, actual Director-Geral da OMC, um individuo com altos cargos e pouco poder actuativo, centrifugado entre luta de poderes e de posições nacionais e trans-nacionais.
    Sobre as soluções mencionadas, umas são demasiados vagas caindo em lugares comuns (e para isso nós, os portugueses, podemos fazer o mesmo ou melhor) e enquanto outras, mais concretas, são avançadas à medida do engrandecimento da sua posição individual em vez do bem comum. Mandem-no para Felgueiras, então.

Os comentários estão fechados.