Com a corda na garganta [actualizado]

Há uns dias, ouvi alguém comentar que se devermos 1.000 € a um banco estamos lixados mas se alguém dever 1.000.000 € a um banco, é o próprio banco que está lixado. Eu acrescentaria que se o banco dever 1.000.000.000 € a alguém, somos nós que nos lixamos outra vez.
O movimento “Com a corda na garganta“, propõe coisas simples e relativamente banais para quem, como todos nós, sempre foi o garante dos lucros astronómicos da banca: limitação do spread e o fim da obrigatoriedade da compra de pacotes de produtos quando se contrai um empréstimo e a taxação dos lucros da banca pelo mesmo valor que são taxados os lucros das empresa.
Para isso, está a promover uma petição à Assembleia da República, para que os deputados legislem o óbvio.

ATENÇÃO: Esta petição já esteve online alguns dias, contudo um qualquer problema técnico levou a que as assinaturas se perdessem. Por isso aqui fica o link para a petição.

[Actualização: Numa clara resposta a esta petição, o Banco Central Europeu decidiu voltar a baixar as taxas de juro, que outrora dizia não poder baixar]

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to Com a corda na garganta [actualizado]

  1. Pingback: cinco dias » Racionalização do sistema

  2. Pingback: cinco dias » A crise e os modelos: LIBOR/EURIBOR

Os comentários estão fechados.