Hitler no Inferno

Há uns anos, andava eu pela blogosfera a lamentar o incêndio que consumira o Inferno. Soube só agora que já foi reaberto ao público, maior e mais apocalíptico que nunca, sob o sugestivo título Fucking Hell 2008. Os irmãos Chapman, não contentes com o renascimento desta fénix alucinada, trataram de apresentar ao mundo a bela obra If Hitler had been a Hippy How Happy Would We Be: um conjunto de aguarelas da autoria de Adolf Hitler, “enriquecidas” com arco-íris, coraçõezinhos e outros pequenos monstros açucarados. (Diga-se que as aguarelas foram compradas por 115.000 libras e estão agora à venda pelo quíntuplo.) Não é a primeira vez que os irmãos iconoclastas fazem uma destas: algumas gravuras de Goya já tinham sofrido adições carnavalescas que muita gente irritaram em terras espanholas. E nada disto é novo: Robert Rauschenberg tratou há muito de apagar um desenho de Willem de Kooning, intitulando a obra resultante… Erased De Kooning – podem aqui ver um excelente vídeo sobre este evento anti-seminal.
A bem da verdade, o trabalho de Dinos e Jake Chapman parece-me quase todo algo anémico e esfomeado de escândalo. Mas é difícil ficar indiferente à sua infernal disneylândia de horrores, às suas hordas de soldados liliputianos entretidos em pavorosos massacres por entre ruínas de McDonald’s e abominações de carne e metal; mesmo esta paródia hitleriana é pelo menos bem achada, dando um belo pano de fundo ao seu brinquedo para adultos perturbados.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Hitler no Inferno

Os comentários estão fechados.