Estava na cara

Há fachadas que revelam, num piscar de olhos do passante, o que por trás delas se agita. Esperar-se-ia que um organismo com as funções da ERC se desenhasse discreto, sóbrio, quase invisível. Imaginar-se-ia um pequeno batalhão de mangas de alpaca, com os seus cronómetros e os seus mapas horários, assinalando quantos segundos a mais de cobertura noticiosa teria tido o PP em relação ao PNR, quantos golos de água cada comentador bebeu esta semana em directo. Tudo oculto algures num armazém sem marcas exteriores, com um bengaleiro repleto de gabardinas cinzentas, tão inconspícuas quanto os seus donos.
Mas basta olhar para a fachada da ERC, na 24 de Julho, para perceber de que massa é aquela malta feita. Metal rutilante, cheio de design e de vontade de dar nas vistas, uma entrada majestática, a impor o respeito ao transeunte. Ali não há discrição silenciosa, assim à laia de uma polícia secreta eficaz e anónima. Há sim uma declaração berrada: “reparem em mim!” Há ali sim um grupo de académicos de repente investido de autoridade a sério. Para mal da actividade que deviam regular com um mínimo de espavento. E para mal, palpita-me, de todos nós.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

14 Responses to Estava na cara

  1. Hoje em dia, acha-se que qualquer sigla tem de ser uma Marca. Nunca se sabe quanto podem valer umas t-shirts com o vibrante logo da ERC…

  2. Lidador diz:

    Alguma vez teria de concordar consigo.
    Mas você não é do Benfica, pois não?
    É que não me agrada humanizar inimigos…

  3. Luis Rainha diz:

    Mas já tínhamos concordado em discordar, homem. E o meu benfiquismo é muito pouco praticante: costumo saber em que lugar vão e pouco mais.

  4. jorge c. diz:

    Você não sabe o quanto está certo, meu caro. Mas é que nem imagina a verdade deste post.

  5. Luis Moreira diz:

    Mais uma entidade.Mas Luís, sabe qual é a táctica? É velha, mas resulta sempre.É criada uma entidade ou uma empresa ou uma comissão enfim, uma merda dessas.A primeira coisa a fazer é enchê-la de gente, de carros ,um grande prédio que dê nas vistas,tudo para tornar muito difícil,ou mesmo ímpossível, extingui-la. Arranjar zaragatas pública para mostrar que está a apresentar serviço,outra estratégia.Quando aquilo já tem imensa gente a depender da “actividade”,podemos sossegar que há emprego,pelo menos até á entrada em funcões do próximo governo.E tem que ser de outro partido!E aqui está! prédio na 24 de Julho e com entrada de Ministério!!! Voilá!

  6. Simon diz:

    Bem visto, ai, muito bem visto, Rainha.

    Que gritaria de de sigla, senhores, vaidade a potes que ali vai no sentido preciso da vaidade, igual a vanitas, do oco por dentro, sem valor nem préstimo, mas igual ao estilo do governo, que distribui tachos, prebendas, entre os seus legítimos.

    E rais parta o abuso, a prepotência, também por cá, semelhante às Galps, EdPs e Lusopontes, igual à arrogância dos ricos ladrões dos States.

  7. Alfredo P. diz:

    Já tinha reparado no ridículo da coisa, porque passo por lá frequentemente.
    Não há dúvida de que aquilo é gente sem miolos, havendo apenas um de entre os cinco que se salva.
    Mas, pergunto, o que está lá a fazer Gonçalves da Silva?
    Insultado e publicamente enxovalhado pelos comissários Azeredo e Estrela, ante o silêncio cúmplice dos não menos comissários Elísio e Assis Ferreira, por que motivo GS não dá um murro na mesa e não conta a pouca vergonha a que tem vindo a assistir, num órgão definitivamente desprestigiado, alvo da chacota geral e sem hipótese de recuperação possível da sua dignidade?

  8. filinto diz:

    Quando vi o início do post pensei que a ERC tinha sido chamada a intervir no affair 5 dias.

  9. Luis Rainha diz:

    Eles vieram cá, mas não havia ninguém para lhes abrir a porta.

  10. jorge c. diz:

    Estava tudo a apresentar queixa ao Primeiro Ministro e os senhores deram com o nariz na porta.

  11. Epa! Eu gosto do Augusto Santos Silva. Logo: o que ele faz não pode ser muito mau. ( já falou umas palermices … mas, eu fiz de conta q não ouvi …). Por outro lado, os jornalistas bem precisam de Orgão, para ver se não se perdem muito…

  12. O que é isso de ERC? A falida “esquerra republica de catalunya”, ou “esqueça de renovar o cartão”?

    * Cá para mim, a tal “entrada majestática” é muito pouco majestática. Mais parece o portal de um centro comercial na Musgueira Leste.

  13. Luis Rainha diz:

    Precisamente: estilo colonial-suburbano. Assim como uma discoteca do Liberto Mealha na Bobadela.

  14. filinto diz:

    Oh homem, desde quando é que a Esquerra está falida? Todos roubaram as suas ideias e continua a ser a terceira força política da Catalunya…

Os comentários estão fechados.