sem titulo

Autor: Cunga

“Não pode ser esta a imaginação? Diz um homem sentado sozinho, consigo próprio, que, imperturbado, continua a falar. Nada aparenta, é limiar. Nada nunca é claramente nada. Com uma aparente leveza gestual, aponta para a dimensão do mar. Penso que vai chover hoje, ainda o mar está escuro. Aprecia ele, enquanto sentado numa cadeira de plástico carcomido, espera. Parecendo que a cadeira o tivesse parido e ambos tinham a mesma idade.”

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.