A verdadeira libertação das mulheres

Anda por aí um anúncio radiofónico que nos transmite as agruras de uma dona-de-casa moderna, confrontando a rotina, a falta de tempo e o tédio do seu casamento. Solução recomendada? Instalar uma nova cozinha. A sério.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to A verdadeira libertação das mulheres

  1. Maria João Pires diz:

    com cozinheira incorporada? 😉

  2. Luís Lavoura diz:

    Então não é?

    Quebra-se a rotina (a cozinha tem uma disposição diferente).

    Poupa-se tempo (a cozinha tem um microondas e uma máquina de lavar, que dantes não existiam – não existem, por exemplo, na minha cozinha).

    Elimina-se o tédio do casamento (a cozinha torna-se um local agradável e acolhedor, na qual se pode, por exemplo, fugir da sala onde o marido lê o jornal, ou então ter relações sexuais em cima da mesa em vez de as ter na cama do quarto de dormir).

  3. M. Abrantes diz:

    Os publicitários são os herdeiros naturais dos antigos vendedores de banha da cobra. A imagem do vulgar cidadão, encalhado no trânsito às 8 da manhã, já mais morto que vivo, a ter que gramar as maluqueiras que eles inventam para vender salsichas, é para esse pessoal um paradigma de sucesso profissional. Há alguns anúncios que deviam levar à barra dos tribunais os loucos que os inventaram.

  4. AC diz:

    Haja paciencia e muito humor, pois por momentos nao sabia se me devia rir ou se devia chorar.
    Aparentemente o amigo Abrantes ficou tao traumatizado com as salsichas que lhe impingiram quando “encalhado no trânsito às 8 da manhã, já mais morto que vivo”, que agora quer transformar anuncios maus em materia de julgamento… lol

  5. Luis Moreira diz:

    Uma mulher com um nova cozinha é logo outra mulher! Que faz do marido um marido feliz.Que a faz a ela feliz.E aos petizes. E ao porteiro.E ao padeiro.E assim por diante….

  6. Nuno diz:

    Há que investigar se é um anúncio Pós-Feminista ou uma sobrevivência de posturas anacrónicas!

Os comentários estão fechados.