Dia da Raça

A ilusão retrospectiva: sobre o tumulto quotidiano, caía como que um grande e fabuloso silêncio que tudo transfigurava. Um pequeno chamado Luís, que tanto queria seguir a carreira das armas como a das letras, e numa mão empunhava a espada e noutra a pena se não o contrário, surpreendeu um dia a família e as visitas quando, depois da ceia, disse de um só jacto umas estâncias muito bem medidas; depois continuou a brincar aos mata-mouros, a ponto de se ferir numa vista; quando subiu ao quarto, alguém (decerto um barão assinalado) disse para todo o sempre: -Este rapaz tem futuro!

(Une histoire du Petit Poulou, adaptação livre)

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to Dia da Raça

Os comentários estão fechados.