A importância do batom na política dos EUA


Quando muita gente ansiava que as eleições dos EUA servissem para discutir as questões da economia , da guerra e do ambiente que afligem esse país e o planeta. Eis que o pleito eleitoral se transforma na convenção Elizabeth Harden.
Há uns dias a senhora Palin apresentou-se na reunião magna do Partido Republicano como “um pit-bull com batom”. Em resposta, o senador Obama defendeu que era preciso uma mudança na política norte-americana e que “apesar de pintarmos os lábios a um porco , ele não deixava de ser um porco”. A bonita parábola (ou seria uma metáfora? ) fez cair o Carmo e a Trindade no partido do elefante. Obama foi acusado de sexista. O candidato democrata defendeu-se, dizendo que não era sua intenção ofender a sra Palin e a sua candidatura fez chegar imagens de McCain, quando no ano passado se tinha referido à política de saúde de Hillary Clinton, dizendo que as propostas da senadora Clinton de reforma do seguro de saúde eram “como quando se pinta os lábios a um porco, mas depois se percebe que um porco não deixa de ser um porco, por ter os lábios pintados”.
A FOX, A CNN, CBS e quejandos não fazem mais do que discutir a profunda divisão que divide os eleitores em dois, sendo que a fronteira é traçada a batom….
Sejamos claros, a política espectáculo destas eleições são um mecanismo perverso que formata as candidaturas todas. Obama, apesar das suas boas intenções, ao ter que responder aos media nos seus termos e discutir, por exemplo, se a sua mulher não faz sinais extremistas num comício, ao só dar atenção aos sound bites, ao centrar as suas propostas para agradar a todos, ao plastificar as suas ideias, torna-se cada vez mais parecido com McCain.
A política espectáculo não é neutra, nem é uma mera técnica (seja lá o que isso for), ela serve objectivamente a grande máxima: “tudo tem de parecer diferente, para que tudo possa ficar igual”.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

17 Responses to A importância do batom na política dos EUA

Os comentários estão fechados.