Estiveram na primeira festa do Avante

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

19 Responses to Estiveram na primeira festa do Avante

  1. Se alguem daqui lá for, comprem-me uma t-shirt do Estaline, que eles vendem nas bancas. E já agora, uma das FARC. Por simples fetiche…, só isso.

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Tche, tche, tanto ressentimento por não venderem as do Salazar

  3. Bah, Nuno, essa do Salazar não me belisca nem um pouco. Se calhar você ainda tem a sua da Mocidade… E quer comparar o Salazar com Estaline? Essa é boa, ao que chegámos…

    * Será que vendem cópias dos Avante editados entre Agosto de 1939 e Junho de 1941? É que possibilitam interessantes leituras acerca da aliança germano-soviética e com um pouco de sorte, umas asneirazinhas da besta do Cunhal.

  4. Nuno V. diz:

    Tem toda a razão Nuno, como sempre: estima-se que só Estaline e Salazar juntos causaram a morte a cerca de 10 milhões de homens, mulheres e crianças (uns 4 milhões vítimas de repressão e uns 6 milhões vítimas de fome). Uns criminosos da pior espécie esses 2!

  5. antonio diz:

    Nas tintas para as t-shits e as farc, e já agora, para o mpla, o josé eduardo, a isabel, a sonangol, e o bcp.
    A festa do avante que realmente me bateu foi uma em que a Simone chorou enquanto cantava Milton e Geraldo Vandré, em que o chico estava constipado ou cheio de coca e genial como sempre, havia águas de março acendendo o verão na versão original, e também o genial Phil Ochs.
    Lá pelo meio pareceu-me que o Ávaro Cunhal também disse qualquer coisa, mas com franqueza, não me lembro.
    Memórias selectivas dão nisto…

    P.S. Os Area não prestam, nem que soubessem tocar a Varsovienne.
    Salut y force al canut, como dizem ali ao lado.

  6. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Caríssimos,
    Eu já não vou à Festa do Avante, desde 2003, altura em que sai do PCP. Longe de mim branquear os crimes do estalinismo, mas nunca vi à venda na festa camisolas do Estaline. Portanto, a afirmação é só pouco séria.

    Caro António Anónimo,
    Cunhal não apareceu no meio do Edu Lobo, MPB 4, Simone e Chico Buarque. Discursou no dia seguinte.
    E os Area eram muito bons, embora difícieis: devido à tentativa de mesclarem Free Jazz com Rock.

    Caro Nuno Castelo-Branco,
    É feio negar os seus maiores. Eu sei que o exemplo vem, em triplicado, de Paulo (o São), mas você não engana, é o que se chama um “facho”.

  7. Bah, Nuno, um “facho”. Isso para o PC é coisa que vai do CDS ao BE, portanto, estamos bem.
    Quanto às camisolas do estaline, para mim são um gadget como outro qualquer. devem vender bem, é uma questão de negócio e até aposto que muita gente já nem sabe quem o mânfio era!
    Quanto aos “meus” maiores, enfim… Quando salazar morreu, eu era MUITO pequeno e portanto, não é da minha geração nem sequer vivia cá, mas sim em Moçambique. Portanto, Salazar, Maio 68 etc, deixo para a geração antes da minha e o Estaline paraa geração dos avós. Quanto ao Lenine, fica para os bisavós.
    Não vale a pena “fazer de conta” que as coisas não se passaram, porque hoje temos informação: não foram por acaso, e tudo foi metodicamente planeado, A morte foi industrializada e concordo, devia ser um sistema bom para quem estivesse entre os eleitos, ou seja, 1% da população. Gostava de fazer parte desse núcleo, compreende-se e nem levo a mal. Há que subir o máximo…
    O Nuno V. fala do assassinato de 10 milhões. A contabilidade peca por modesta.
    Já não existem muitos argumentos para branquear o crime. o que é estranho é insistirem em mais “uma oportunidade”. era só o que faltava. Prefiro o Putin, apesar de tudo (e o PC não devia criticá-lo muito, pois como as coisas estão, ainda poderá receber uns subsidiozinhos da Rússia, só para desestabilizar. Veja, NRA, como o saramago foi esperto! até já é espanhoguês, com prémios dado pelos Bourbon e tudo!).

  8. Castelo-Branco,
    Eu não sou PC. E as camisolas do Estaline não são vendidas na Festa do Avante. O resto é conversa.

  9. Não me interessa minimamente o assunto das t-shirts do Vissarionovich. Mas está enganado pois FORAM MESMO vendidas na dita festa. É a verdade. Informe-se. De qualquer forma, isso não tem qualquer importância, pois sabemos bem o que os PC pensam do dito cujo. Está para o PC como A.Hitler está para o PNR.

  10. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Castelo-Branco,
    Se comprou uma camisola do Koba, lamento, deve ter sido fora de portas, zona que se vendem até camisolinhas do Cristiano Ronaldo e da Nossa Senhora de Fátima. Lá dentro não são permitidas pela organização.
    Concedo em que em todos os lados haja parvos e certamente no PC existem imbecis que justificam o Estaline- são como os bushistas que justificam a tortura, as invasões e os crimes de guerra…

    Rogério,
    É verdade, sou MAC.

  11. Já agora, caro homónimo, não vale a pena relativizar com o idiota que se chama Bush (não sou “republicano” nos EUA, nem “republicano” em Portugal). E de qualquer forma e apesar de todas as asneiras, Bush não pode ser comparado a Estaline, nem sequer a um Brezhnev! Quanto aos imbecis que existem no PC – e em todos os outros partidos -, isso faz-me lembrar aquele fulano que há uns anos andava aos berros no metro, de foice e martelo na lapela, exaltando Estaline e criticando Hitler APENAS por ter atacado a URSS: “que dupla eles faziam, o que o mundo perdeu! Dois grandes homens! Juntos liquidariam o capitalismo e a judiaria”…
    Pois…

    * Quanto à N.S.de Fátima, não me admira nada, até o Cunhal já fava nos católicos (o Estaline também lá foi usando o Patriarca de Moscovo, quando os alemães estavam a 30Km do Kremlin). Enfim, misérias da vida e negócio é negócio.
    Em matéria de marketing o Jerónimo Sousesco até foi sugerindo – quando da morte da Amália – alegadas simpatias da fadista para com o PC! Vale tudo!

    **Claro que as t-shirts do “paizinho dos povos” não devem ser OFICIALMENTE permitidas pela organização. O PNR decerto também não permite OFICIALMENTE as camisolas do “tio Adolfo”.

  12. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Castelo-Branco,
    O terror de Estado é comparável e não depende da estatística, mas mesmo que fosse a quantidade o critério, os governos dos EUA, os seus aliados, não ficavam muito beneficiados: América Latina, Vietname, Indonésia, Timor, Palestina, Argélia, India, somam uns largos milhões.
    De qualquer forma, recuso-me a discutir o assunto com base no Livro Negro do Comunismo e o Livro Negro do Capitalismo, o terror e a violência de Estado são uma realidade que merece denuncia independentemente dos protagonistas serem de direita ou de esquerda.

  13. Faz bem em não querer discutir, é bastante penoso. No entanto, sempre existiu uma certa mania de estatística entre os seguidores do materialismo dialéctico, pelo menos, para o que convém. Mas tem razão, não se pode comparar a sangrenta carreira do comunismo russo, chinês, cambojano, romeno, etc, com os americanos. Não existe comparação possível, embora eu, como português, tenha consciência perfeita dos malefícios da política USA ao longo de um século.
    A contabilidade é um exercício perigoso, pois para os comunistas, começa mesmo antes de 1917, basta ler as recomendações de Lenine ao partido. O que se passou na Ucrânia, a eliminação dos camponeses, a Grande Fome, as depurações extensivas nos anos do Grande Terror (anos 30), a terrível ocupação da Europa de leste em 1945 com a desonra do exército vermelho, o Gulag, etc, etc, etc. São verdades indesmentíveis e que foram habilmente relativizadas por certa escola (lembra-se de Sartre?).
    Mas, Nuno, comparar os EUA, com a sua forte opinião pública, imprensa livre, liberdade de circulação e tudo o resto que bem sabe, com regimes abjectamente concentracionários, não é original, mas apenas trágico. Tudo aquilo se passou durante muitas décadas e por vezes de forma aberta e orgulhosamente assumida. Não há como negar a evidência. E já agora lhe digo que tenho muitas dúvidas de o regime de Hitler ser de direita: o tipo de organização partidária , “as suas lutas”, a retórica, o centralismo económico e o totalitarismo do Estado sobre os cidadãos, denunciam algo de muito parecido com a URSS. Até a bandeira… 🙂

  14. CMF diz:

    “E já agora lhe digo que tenho muitas dúvidas de o regime de Hitler ser de direita: o tipo de organização partidária , “as suas lutas”, a retórica, o centralismo económico e o totalitarismo do Estado sobre os cidadãos, denunciam algo de muito parecido com a URSS.”
    Nuno, não diga uma coisa dessas! Agora é que lhe caem todos em cima. Essas coisas têm que ficar bem escondidas, debaixo do manto com o qual a esquerda cobriu a História do século XX.

  15. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Caríssimo Nuno Castelo-Branco,
    É interessante que você contabiliza como mortos pelo comunismo as consequências da guerra civil alimentadas pelas invasão da União Soviética perpretadas pelas potências ocidentais, em apoio dos exércitos russos brancos. Parece o excelente livro negro do comunismo que contabiliza como repressão sandinista as intervenções dos contra e dos EUA. Mas até na estatística você está enganado: aconselho-lhe vivamente a leitura do “Late Victorian Holocaust” de Mike Davis, para perceber em que medida o capitalismo foi e é mortífero. Em todo o mundo morreram,no final do século XIX, segundo os historiadores, cerca de 60 milhões de pessoas, devido à perigosa combinação das catástrofes naturais com a arrogância imperial e a ineficiência do mercado capitalista.
    De resto, não creio que a imprensa livre e as eleições democráticas nos EUA justifiquem o apoio às ditaduras sangrentas no Terceiro Mundo e o derrube de uma série de governos eleitos democraticamente ao longo de muitas épocas.
    Mas como lhe disse, para mim um morto é um morto e um assassinado é um assassinado independentemente de quem o comete.

  16. Nuno Ramos de Almeida diz:

    E finalmente, sobre o regime de Hitler: o seu discurso anti-liberal não consegue mascarar a sua natureza de classe. Os nazis começaram por reprimir e assassinar os comunistas e justificaram o seu aparecimento como resposta ao perigo vermelho. Do ponto de vista social e económico os regimes fascistas ajudaram a concentrar o capital nas mão de muito poucos. O que define um regime não é o foclore da sua retórica pretensamente anti-liberal, mas os resultados práticos do seu governo.

  17. Joao Paulo Monteiro diz:

    É triste ler coisas sem sentido, que só revelam maldade, falta de conhecimento e muita vontade de julgar o próximo, neste caso o PCP.
    A festa do avante, que é, note-se, feita de muito amor às causas justas, à fraternidade e à ideia de um mundo melhor, onde a preocupação central é a elevação do ser humano e não a tão famosa economia que está sempre má para quem vive da sua força de trabalho.
    No passado, muitas pessoas deram a vida, morreram, assassinados pela PIDE. Agora outros continuam a lutar com muita vontade pela liberdade, pela justiça e pela solidariedade e até mesmo por quem, infelizmente não sabe o que diz…Todos os seres humanos têm defeitos e virtudes, os Comunistas são feitos mesma matéria e n restem dúvidas, os comunistas são seres bem intencionados e com consciência de classe – para quem souber o que isso é, ou quem quiser aprender o que isso é, força!
    Informem-se antes de reproduzirem o que ouvem na comunicação social ou seja, informem-se antes de reproduzirem aquilo que a classe dominante vos transmite!
    Abaixo a hipocrisia, viva o AVANTE E O PCP!
    Muita luz para todos, paz amor e prosperidade!
    Disse!

  18. adnav diz:

    Não querendo explorar alguns comentários aqui indicados, porque não o merecem e são de uma profunda ignorância, devo informar que estive os três dias na Festa do Avante e nao vi qualquer venda de t-shirts dos nomes em questão.
    Fui pelo sentido politico e como disse o João Monteiro, cabe-nos a nós continuar o trabalho que outros tiveram que deixar (lutar por uma liberdade, que nos dias de hoje, parece, infelizmente, quase ilusória).
    Concordo e aceito que existam imbecis em qualquer partido politico (incluindo PCP). No entanto temos ideais muito nobres, justos e sem sombra de duvidas bem intencionados e, parece-me a mim, que nos dias hoje já ninguem cai na conversa que o comunista é um bicho papão :).
    Aconselho a formarem a V. própria opinião e não ir atrás de pessoas mal informadas que provavelmente também fizeram o mesmo. 🙂
    Deixo aqui a minha opinião, na esperança que sirva para que os menos informados se sintam motivados a informarem-se e até pode ser que aprendam qualquer coisa.

Os comentários estão fechados.