tropa de elite, mais dioptria, menos dioptria

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

9 Responses to tropa de elite, mais dioptria, menos dioptria

  1. Luis Moreira diz:

    Mas será que quem dispara,numa operação onde se cruzam o medo, o imprevisto, a precipitação,tem alguma hipótese de acertar ? Eu ficaria admirado se o agente tivesse acertado nos pneus.É um tiro dificílimo.Para além das condições em que os tiros são feitos qual é a real capacidade do agente em usar armas? Tem treino periódico?É habitual estar em situações semelhantes? A visão que nós temos destas situações é um bocado a dos filmes do Bruce Willis.Última bala entre os olhos!

  2. isto é tudo muito giro, mas quem leva um puto de 11 anos para um assalto não tem culpa de nada? não me gozem…

  3. Luis Moreira diz:

    A responsabilidade de quem leva um puto para um assalto é indiscutível!E estamos de acordo porque percebemos que esse local é um local perigoso.E é-o tambem para os agentes da GNR.Por isso é que eu não percebo porque é que as pessoas ficam tão admiradas por haver feridos e mortes! No BES morreu alguem intencionalmente.Em Loures morreu alguem acidentalmente.E no entanto são ambos resultado de um local perigoso,onde o controlo da segurança deixou de existir.Ou não?

  4. Jorge C. diz:

    Grande Vieira! Nunca ficas atrás dos que te antecederam.

  5. Moreira, não podíamos estar mais de acordo, a gnr é de facto especialista em situações em que o controlo da segurança deixa de existir. aliás, veja-se por exemplo a irresponsabilidade de gente que leva a cabeça entre os ombros para uma esquadra em sacavém, arrisca-se a voltar sem ela.

  6. João José Fernandes Simões diz:

    Na página da Sapo: «Pai da criança morta pela GNR era foragido da prisão de Alcoentre (Sol)».
    Todos bons rapazes, portanto.
    Merece a pena ir ler.

    Embora tal não justifique erros policiais (se tal se vier a confirmar)

  7. Miguel diz:

    Foi cometido um assalto (coisa normal, estão desintegrados da sociedade, e a culpa, é toda nossa…claro..), por dois indivíduos, que levaram com eles uma criança ( para que, não se percebe..mas altamente recomendável..!), que ao serem supreendidos pela GNR se puseram em fuga, ( para quê não entendo, pois um assalto é uma coisa perfeitamente natural, já que não têm dinheiro, nem emprego, e a culpa…é… toda nossa…claro!), pois não levavam cinto, e não lhes dava jeito agora uma multazita….
    Não é que os agentes da autoridade tiveram o desplante de abrir fogo, sobre estas alvas criaturas…..mas que país é este???

    Onde já não se pode ir dar uma voltinha à noite com o filho de 11 anos, pedir emprestado umas coisitas, não levar cinto e levar com tiros!!???

    Mas que GNR ‘s tão brutos e mal educados. Deviam ser todos despedidos, e pagar uma bela indemnização pelo que fizeram!!

    Bolas!!!

  8. atom diz:

    Normas para perseguição de assaltantes:
    No caso da polícia ou GNR surpreender um assaltante, não deve iniciar a perseguição sem se assegurar que as seguintes informações são recolhidas:
    Que seja contabilizado o valor do roubo por um contabilista credenciado (deve ser fixado em lei o valor, a partir do qual será licito iniciar uma perseguição).
    Deve ser averiguada a idade de todos os participantes no assalto (devendo essa tarefa ser encargo da Polícia Judiciária que deve apresentar uma fotocópia da certidão de nascimento de cada um dos assaltantes à autoridade solicitante) a fim de se avaliar tem a idade para que possam ser perseguidos.
    Deve a força policial solicitar ao delegado de saúde informação sobre o estado de saúde dos assaltantes, pois se estiverem doentes, não devem ser perseguidos.
    Deve ser averiguado qual o tipo e quantidade de armamento dos assaltantes. Se o armamento for inferior, a perseguição não deve ser iniciada pois seria injusto e desigual para os assaltantes (poder-se-ia pensar num subsidio governamental para que os assaltantes adquirirem armamento actualizado e restabelecer o equilíbrio entre perseguidores e perseguidos).
    Dirão alguns velhos do Restelo que isto seria demorado…
    Mas eu respondo: devagar se vai ao longe!

  9. Luis Moreira diz:

    Claro que há agentes de autoridade que não estão preparados para o serem.são um espelho da sociedade que temos.Só porque são autoridade não quer dizer que matem por matar ou que sejam propotentes.Mas para além disso ouve-se muitas vezes “disparou para o ar e matou um fugitivo” e isto parece ser algo de inaceitável.Ora o que nos diz a experiência é que em situações destas o natural é falhar o tiro.Estas situações são perigosas exactamente porque quem se envolve nelas não está preparado para as dominar.E há muito pouca gente que mantenha o controle nestas situações por mais que seja treinado.Aliás, só se sabe depois de se passar por elas.

Os comentários estão fechados.