Aviso à tripeiragem ressabiada

Fora de Lisboa, saudoso, longe de Alfama, das festas de Santo António. Ainda por cima nem à minha novela tenho direito: a SIC ocupa toda a sua programação com as tais “Marchas de Santo António”, uma “competição” entre “bairros” que há quem queira transformar numa versão alfacinha do Carnaval do Rio. E é este aviso que eu quero deixar à tripeiragem que, como eu, também gostaria de ver a novela (ou, pelo menos, não acha que tais “marchas” justifiquem uma transmissão em directo em horário nobre): não julguem que os lisboetas médios estão mais interessados neste evento que vocês (refiro-me às marchas e não aos Santos Populares). Confundir quem está interessado e aparece nesse evento (artistas de teatro de revista e colunáveis novos ricos) com “Lisboa” ou os “lisboetas” é um erro grave que vocês, tripeiros ressabiados, cometem frequentemente. Não sei se por ignorância se por má fé.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

18 Responses to Aviso à tripeiragem ressabiada

  1. Ressabiados uma ova!
    Às tantas e para mal dos vossos pecados a TVI vai transmitir o S. João… digo eu, carago!

  2. Luis Rainha diz:

    Safa. Pior que levar com as marchas em directo e em versão integral, só mesmo os canastrões brasileiros a impingir-nos a enésima repetição dos mesmos trejeitos, dos mesmos ademanes estafados com que nos “enchem o saco” há décadas.

  3. JoaoLuc diz:

    Esse erro deve ser tão comum, como o erro de considerar os portuenses como “tripeiragem ressabiada”.

  4. LA-C diz:

    Estou com o salvoconduto.
    A vinganças virá com o São João do Porto e de Braga!

    “Confundir quem está interessado e aparece nesse evento (artistas de teatro de revista e colunáveis novos ricos)”

    Gosto do elitismo sem preconceitos do Filipe 🙂

    P.S. Não sou tripeiro, sou de um pouco mais a sul e vivo um pouco mais a norte.

  5. .Ypslon diz:

    Eu sou de Lisboa e não estou minimamente interessado em ver as marchas. Mas acho engraçado o evento, e que haja quem goste. E tal como passa na TV o Carnaval do Rio, porque não passar também as Marchas de Lisboa?

  6. JoaoLuc, onde é que eu digo que os tripeiros, perdão, portuenses (a sério, saiu-me mesmo assim 🙂 ) são “tripeiragem ressabiada”? O “ressabiada” está lá e tem um papel: não confundas a “tripeiragem ressabiada” com os tripeiros, perdão, os portuenses :).

    O comentário do salvoconduto é exemplar. Pode ser uma merda, mas só porque “Lisboa” tem (como disse, nem é Lisboa), a gente tem que ter também. Libertem-se dessa mentalidade pequena e provinciana!

  7. filinto diz:

    A gente sabe que uma coisa é a cidade e outra é a centralista capital saudosa do império. E temos coisas mais interessantes para fazer ou mesmo para ver na televisão. Lamento por si, eu sempre que falho o S. João sinto uma enorme tristeza. E garanto-lhe que o S. João é muuuuito mais do que o fogo-de-artifício. Tal como o Santo António é muuuuito mais do que se vê na TV.

    Veremos se a “necessidade de animar a economia com as obras públicas” que tem feito mexer parte deste Governo não dará lugar à construção de um “marchómetro”. Não ficaria surpreendido.

  8. filinto diz:

    A gente sabe que uma coisa é a cidade e outra é a centralista capital saudosa do império. E temos coisas mais interessantes para fazer ou mesmo para ver na televisão. Lamento por si, eu sempre que falho o S. João sinto uma enorme tristeza. E garanto-lhe que o S. João é muuuuito mais do que o fogo-de-artifício. Tal como o Santo António é muuuuito mais do que se vê na TV.

    Veremos se a “necessidade de animar a economia com as obras públicas” que tem feito mexer parte deste Governo não dará lugar à construção de um “marchómetro”. Não ficaria surpreendido.

    A tag Regionalização fica a matar neste post…

  9. filinto diz:

    Peço desculpa pela repetição do comentário (mas o certo é que ele não aparecia) e em vez de Marchómetro deverá ler-se Marchódromo.

  10. M. Abrantes diz:

    Não duvido que as marchas, assistidas ao vivo, possam ser um espectáculo interessante. Transmitidas na tv fazem do zapping um acto de sobrevivência (idem para sãos joões, carnavais, etc).

  11. eeeeeeeeeee
    A água da minha praia estava excelente. Chegou Verão! O sol.
    Pois. Marchas? Machar, Marchar?
    Ok! Vou mergulhar.

  12. @ Filipe Moura:

    Oh meu caro, vamos lá pôr os pontos nos is: se não tem sentido de humor deite-se a afogar porque assim não anda aqui a fazer nada…

    Quando eu disse que a TVI iria transmitir o S. João, fi-lo com a intenção clara de ressaltar a xaropada que isso seria, porque fique a saber o S. João festeja-se e é um espectáculo de rua, mais uma vez carago!

  13. Com que então temos aqui um artista que acha que há lisboetas de primeira e outros de segunda. Uns que gostam do povo, mas que são mais evoluídos e esclarecidos. Outros são uns parolos porque vão ver as marchas.
    Muito bem! Que prepotência, meu deus!

  14. RAF diz:

    Marchas? Aquilo eram marchas de Lisboa? É que me pareceu, no zapping, ver o Rui Rio e o Álvaro Castelo Branco…

  15. JoaoLuc diz:

    Podemos continuar a desconversar. É que eu também não disse que disseste o que disseste que eu disse.

    A ironia do texto é óbvia mas essa ironia só faz sentido porque nestas coisas dos “ressabiados” há preconceitos de parte a parte.

    [Atrevo-me até a afirmar que muitos dos novos ricos e dos actores de revista a que te referes são também eles do Porto ou doutro sítio qualquer do país.]

    A verdadeira ofensa do texto é sugerir que quem não se interessa nesse programa televisivo é um «lisboeta médio». Vade retro abrenúncio. 🙂

  16. Albino Gil Gomes diz:

    joão luc, a culpa dessa imagem é nossa portuenses que deixamos que a bacoquice e o bairrismo desmedido chegasse aos jornais e televisões através dos discursos do Jorge Nuno, as comemorações nos aliados entre outros actos clubisticos…. Claro que os zelosos jornalista, em prol da audiência tentam apresentar sempre o maior bronco que há e ao longo dos anos criou-se o estereotipo…. Por isso sempre que me desloco a Lisboa mais de metade das pessoas tratam-me por mentecapto porque não falo como se tivesse ovos na boca…..

    e com isso morreu a imagem das tertúlias e da cidade de pensadores para aparecer a imagem do guarda Abel, o emplastro, o macaco líder, entre outro…. Nunca um clube fez tão mal a uma região….

    Já agora, por mais elitista que pareça concordo com o autor do post quando diz que aquilo é do pior que se faz em Lisboa… não se entende as transmissões de 3 horas de marchas, mais surpreendente foi o resultado absurdamente alto que tiveram de share….

  17. Ricardo Santos Pinto diz:

    Tripeiro, mas não ressabiado, gosto muito de Lisboa e, de resto, de todo o sul do país.
    Mas os seus comentários em relação aos «tripeiros ressabiados» confirma aquilo que um dia Sophia de Mello Breyner disse: os lisboetas são mesmo as pessoas mais provincianas do país.
    Quanto ao resto, o meu horizonte, como portuense, é a Europa, sobretudo o norte da Europa. É por aí que o Porto tem de se desenvolver. Gosto de Lisboa, mas gosto ainda mais de Paris.
    Viva o FCP!

  18. Mata-o-Mouro diz:

    Antes tripeiro ressabiado, que mouro/magrebino/sarraceno/terrorista e frustrado adepto futeboleiro. Alias boces apanham com tantas horas de Sol por ano ai’ na Mouralandia que o bosso cerebro evaporou e estao todos tao morenos que parece que tem a pele coberta por uma pelicula de m*****. Vejam se deixam de falar criolo e comec,am a falar portugues correcto (sim a lingua quer boces queiram quer noum, nasceu no Condado Portucalense e descende do dialecto leonico-cantabrico que deu tambem origem ao dialecto Galego que hoje se fala na Galiza). Lembrem-se que o condado resultou de uma reboluc,oum no reino de Leoum! Boces e’ que estragaram a pureza da lingua e arrac,aram-na e mixordaram-na com expressoes e tiques mouriscos e passaram a falar como bichas exaltadas em dia de saldo num qq shopping (peco desculpa no vosso caso bazar) da moralandia. Mas a culpa disto tudo foi do Afonso Henriques. Se ele tivesse mais visao tinha invadido Leoum e deixado o deserto da Africa Setentrional para os Espanhois. Neste momento nao tinhamos de aturar o circo politiqueiro dos Lisbonarios, pelo contrario riamo-nos que nem perdidos a ler essas noticias na TV-Galicia (ou se calhar TV-Calecia). Como boces sao uma campada de saloios provincianos q se conhecem Lisboa aqui fica um pouco de cultura: a Calecia era uma regiao una que incluia a actual Galiza e o norte de Portugal ate’ ao Rio Mondego; isto antes das legioes romanas invadirem a peninsula. Por tanto em ultima analise a culpa de termos q aturar a mouralhada e’ dos spaghettis. Mas o Afonso Henriques perdeu uma oportunidade unica de corrigir isso !

Os comentários estão fechados.