Hoje corto uma fita

Passou-se o mês de Maio, os 40 anos do Maio de 68, e não referi a alergia que me causam slogans como “sejamos realistas, peçamos o impossível” e, sobretudo, “a imaginação ao poder”. Imaginação ao poder para quê? Sem abdicar das convicções e das ideias, em política é preferível o realismo e o bom senso. Já é sabido, desde Lenine a José Sócrates, passando por Hillary Clinton e, espero, por Barack Obama. 40 anos depois do Maio de 68, espero que a esquerda (francesa e não só) se livre da “tralha imaginosa”. Abordo esta questão, num contexto governativo e futebolístico português, num texto que escrevi para o Corta Fitas, através de um simpático convite do Pedro Correia (a quem aqui agradeço). Convido-vos agora a irem lê-lo.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

4 Responses to Hoje corto uma fita

  1. Luís Oliveira diz:

    “passando por Hillary Clinton e, espero, por Barack Obama.”

    Tu queres ver que eu ainda estou à Esquerda do Filipe Moura.

  2. Luis Rainha diz:

    Mas saberás tu o que é a imaginação, para a confundires com a monomania do Santana Lopes?

  3. “Tu queres ver que eu ainda estou à Esquerda do Filipe Moura.”

    Explica lá porquê, Luís Oliveira. Para começar lês o Lubos Motl (o que, tratando-se de Física, só te fica bem).

    Luís Rainha, não leves o meu texto do Corta Fitas demasiadamente a sério. Que fique bem claro, no entanto: a suposta “imaginação” do Santana está longe de ser o seu principal problema!
    Passando por cima do seu tom pessoal (quase confessional), convido-te a leres os comentários a este texto em http://avesso-do-avesso.blogspot.com/2008/06/hoje-corto-uma-fita.html

  4. Luís Oliveira diz:

    É fácil de explicar.

    Correndo o risco de estar equivocado, parece-me que apoias a Hillary. Senhora que segundo sei está à direita de Obama.

    Falando a sério: tu e o Luís Rainha já podiam ter feito as pazes.

    Abraço

    P.S.: For fayrness sake: ainda estou à espera de ouvir do Obama o que ele realmente pensa fazer relativamente à invasão do Iraque. Mas isto sou a armar-me em homem sensato … prometo voltar assim que possível ao meu idealismo!

Os comentários estão fechados.