Abertura

No outro dia chamaram-me para discutir a “crise na Europa”, por causa do petróleo, e eu lá fui pensando que há sempre uma crise na Europa, real ou imaginária. E no entanto, a crise do petróleo não tem origem na Europa, que até fez algum trabalho de casa no consumo dos seus automóveis e no uso do transporte público (Portugal atrasado no segundo ponto, infelizmente). E no entanto, se pegarmos em alguns livros recentes, vemos que os norte-americanos mais informados, de Fareed Zakaria a Parag Khanna (não por acaso imigrantes), nutrem uma franca admiração pelo que a Europa tem conseguido, nomeadamente pela sua forma de resolver conflitos através do alargamento.

Se há crise na Europa ela está nesta ideia crucial: abertura. E há dois campos onde a crise de abertura é ainda mais alarmante do que no alargamento: democracia e imigração.

O primeiro está à vista de todos. A forma como os líderes europeus trataram do processo constitucional e estão a tratar da nomeação do presidente do Conselho Europeu, com Sarkozy sempre à cabeça das manobras, é pouco menos do que humilhante para a opinião pública europeia. O que nos resta é seguir com inveja a energia das eleições primárias nos EUA – ou, vá lá, esperar pelas eleições para o Parlamento Europeu, as únicas em que temos voz directa.

O verdadeiro título de crise na Europa é este: Sarkozy quer endurecer o combate à imigração “ilegal” através de uma política comum. É assim: primeiro dificultamos a legalização, depois combatemos os “ilegais”, a quem alguns propõem encerrar em centros de deportação até dezoito meses sem terem cometido crime algum, e aos quais o novo Governo italiano propõe criminalizar e prender até quatro anos (bela ideia: em vez de os imigrantes trabalharem para pagar os nossos impostos, vamos nós trabalhar para pagar os custos de encerrar mão-de-obra na prisão).

Sarkozy, que exigiu fugir ao eleitorado no Tratado de Lisboa, tem a sua popularidade em baixa. Solução: vender aos franceses a ideia de que vai combater a imigração na Europa. Como é hábito, sempre que se vê em dificuldades, Sarkozy está a falar em código para o seu eleitorado envelhecido e xenófobo. O resultado seria fazer os seus parceiros europeus pagar pelas falhas na integração da comunidade árabe em França – obrigando-nos por exemplo em Portugal a prescindir de imigrantes com os quais partilhamos em geral a língua, os hábitos, e que podemos integrar com relativa facilidade. E de caminho, fazer os imigrantes pagar pelo aumento dos combustíveis e pela descida na popularidade dos políticos.

Mas nós precisamos de políticos com coragem para dizer que precisamos de imigrantes: não só para trabalhar, não só para pagar a nossa segurança social e impostos, não só para rejuvenescer o país, mas porque ninguém conseguirá preparar-se para o mundo do futuro se não tiver um pouco de globalização à porta de casa. Voltando aos livros de Fareed Zakaria e Parag Khanna: felizmente para os EUA, dizem eles, a Europa não é competitiva na imigração – apesar de o dólar baixo ser menos atractivo para os imigrantes. Alívio: afinal, vinte e cinco por cento das patentes americanas são assinadas por imigrantes indianos ou chineses (sem contar com os cérebros europeus que para lá continuam a fugir).

Mas não se iludam: não dá para atrair o engenheiro indiano e expulsar o pedreiro indiano ou o comerciante indiano – os imigrantes, principalmente os “qualificados”, vão para onde sentem abertura. E se o medo da democracia e o medo da imigração nos provam alguma coisa, é esta: a Europa vive numa crise de abertura.

04.06.2008, Rui Tavares

Sobre Rui Tavares

Segunda | Rui Tavares
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

8 Responses to Abertura

  1. Pingback: A sabedoria de outros « Palermice de Bacalhau

  2. Luis Rainha diz:

    Afinal, andas mesmo a ler o Florida…

  3. The Studio diz:

    “Sarkozy sempre à cabeça das manobras, é pouco menos do que humilhante para a opinião pública europeia. ”

    A opinião pública europeia é o iluminado sr. Rui Tavares, está visto.

    “obrigando-nos por exemplo em Portugal a prescindir de imigrantes ”

    O Sr. Tavares não esteve presente no encontro das Esquerdas onde o Manuel Alegre afirmou que “os Portugueses estão a ser obrigados a emigrar”? Se em Portugal não há emprego nem para os Portugueses, para que precisamos dos imigrantes? Se não há empregos, o que vêm para cá fazer? Viver à conta da nossa segurança social?

    “não dá para atrair o engenheiro indiano e expulsar o pedreiro indiano ou o comerciante indiano”

    É precisa coragem (ou cegueira) para observar uma coisa e afirmar exactamente o contrário.

  4. ‘se em portugal não há emprego para os portugueses, para que precisamos dos imigrantes?’. este the studio é um prato. agora até tem o manuel alegre como oráculo, para chegar ao le pen.

  5. RT,

    Discordo quando diz “os imigrantes, principalmente os “qualificados”, vão para onde sentem abertura”. Parece-me que mesmo os imigrantes, mesmo os qualificados, vão para onde sentem que a vida pode ser melhor, sem contabilizar os riscos de vir a parar a uma situação ilegal.

    De qualquer modo, M.el Alegre e TheStudio estão bastante equivocados. A emigração portuguesa, hoje em dia, é para todos os gostos. Conheci muitos emigrantes da nova geração (é fácil, pois muitos trabalham nos cafés dos aeroportos) e podia jurar que a grande maioria emigrou não por falta de emprego (há muito café por aí com falta de pessoal) mas pela possibilidade de um salário mais alto. A confirmá-lo é fácil ouvir as conversas dos emigrantes nas filas de embarque do Sá Carneiro e deduzir que é frequente apenas um dos membros precisar de trabalhar.

  6. o sátiro diz:

    A admiração de que se fala resulta mais de se ter evitado, desta vez, a divisão e as guerras do séc XX do que propriamente uma admiração louca pela “Europa”.
    Aliás, o Fareed Zakaria chegou a ser falado como potencial Conselheiro de Segurança Nacional numa Administração Republicana.
    É que ambos são indianos: viram de perto a violência extremista islâmica, quer na independência, quer no conflito com o Paquistão( e não estou a tomar partido).
    Neste aspecto, não apreciavam a desculpabilização do Islão que era moda na Europa– e ainda é em certos círculos.

  7. o sátiro diz:

    Mas concordo com RT quanto à necessidade de “abertura” para atrair os técnicos qualificados da Índia, China, Coreia.
    Isso, os EUA já têm e facilitam a integração.

  8. “… nos por exemplo em Portugal a prescindir de imigrantes com os quais partilhamos em geral a língua, os hábitos, e que podemos integrar com relativa facilidade. E de caminho, fazer os imigrantes pagar pelo aumento dos combustíveis e pela descida na popularidade dos políticos.”
    Isto proporciona uma leitura Disneyland …

    “mas porque ninguém conseguirá preparar-se para o mundo do futuro se não tiver um pouco de globalização à porta de casa.”
    Isto proporciona uma Leitura Erodisney…

    Nem é bom comentar! Lástima.

Os comentários estão fechados.