Um líder à imagem do seu partido

Manuela Ferreira Leite sempre conseguiu infundir terror nos corações dos seus correligionários/adversários apenas por… ficar quieta e muda. Até a criatura mais sedenta de poder e holofotes — o menino chorão de Gaia — congelava temeroso à espera que ela arrancasse para uma qualquer corrida ao poleiro.
Não que seja certo que a sua catadura de poucos amigos ganhe eleições nacionais: o estilo mestre–escola severo é capaz de já estar fora de moda, num mundo rendido aos  tecnocratas de ar decidido e sapiente como o nosso Primeiro. Isto sem falar das más recordações, que envolvem património do Estado vendido à laia de “pechisbeque” para retocar o Orçamento e a sua perene indisponibilidade para arriscar nisto da política a sério, longe da asa protectora do amigo Aníbal.
Mas nem a sua postura de política calculista e pouco corajosa assusta um partido viciado em figuras providenciais, desembarcadas em congressos meio por acaso. E lá estão os laranjinhas outra vez à míngua de salvador, dependurados de tabus e vagas de fundo em mar chão. Sem nada aprender depois de tantas desilusões com outros candidatos a D. Sebastião, como Santana ou António Borges, que se revelaram mais da mesma fancaria.
Mas Ferreira Leite é o líder certo para este PSD despido de ideologia, em que as ideias se resumem à fome de poder, em que Santana continua a ser levado a sério, em que uma má sondagem soa sempre a toque de finados, em que um chefe só o é se “sair bem” nos jornais, em que as facções apenas se distinguem pelos nomes que as animam. (E nem me parece que o mal seja geral: por cómicos que sejam os arroubos de Alegre, entre outras mansas dissidências, é impossível não encontrar ecos de diferendos ideológicos no PS.)
O estilo Manuela Ferreira Leite corporiza a liderança ideal para este novo grau zero da política. Afinal, trata-se da baronesa que ainda há pouco se viu beatificada por ovações frenéticas quando proclamou que o PSD só deveria apoiar medidas — certas ou erradas — que não dessem a ideia de que o PS tinha razão fosse no que fosse. Garantindo que o PSD “não deve servir de lebre ao PS” no tema da regionalização, que ao “pedir isso (a redução de impostos) estávamos a dizer ao PS que fizeram tudo bem, seria avalizar a política do PS”. Que não valia a pena ao PSD defender um referendo ao Tratado de Lisboa pois tal implicaria “uma campanha em que andará de braço dado com o PS”. A politicazinha paroquial no seu pior: interessa é fazer e falar diferente do outro e que se lixem pormenores como ter uma estratégia para o país, uma sombra de ideologia ou sequer um pouco de seriedade.
Menezes feneceu por andar por aí às voltas em busca de bandeiras, como um dervixe amalucado. Pobre “homem da carne assada”: esfalfou-se a correr atrás de mensagens, ideias, propostas (mesmo que esquisitas), quando afinal era tão fácil. Bastava fazer de conta que tudo é um jogo. Agora, a sua sucessora vai fazer uma excelente carreira com a mais simples das tácticas: dizer sempre o contrário do Governo, no matter what, jogar à política como quem conquista ruas no Monopólio.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

31 Responses to Um líder à imagem do seu partido

  1. Pingback: cinco dias » Horse race politics à portuguesa

  2. Pingback: O fim do PSD? « CODFISH WATERS

Os comentários estão fechados.