O tamanho dos líderes (Meia Hora)

Berlusconi escutou, provavelmente, Luís Filipe Meneses e seguiu-lhe o exemplo: il cavaliere queixou-se amargamente dos malfadados media. Desta vez, não foram os jornalistas os culpados. Aquilo de que se queixa o antigo primeiro-ministro italiano é daqueles que o desenham baixinho, empertigado, esticado e de tacos altos. Os caricaturistas não respeitam a estatura do estadista. Já se sabe, os subversivos começam por amarfanhar a altura de um grande homem, para seguidamente, quem sabe, ameaçarem a propriedade privada e a sagrada família. Berlusconi não exigiu ainda o contraditório nas caricaturas. Falou forte à comunicação social para pôr os pontos nos is. Ele é, segundo diz, muito mais alto que Vladimir Putin e Sarkozy. Garante, pela alma dos seus antepassados, ter um metro e setenta e um centímetros. Ouviram? Um metro e setenta e um centímetros. Seguidos e de uma vez só. Tantos como o seu antigo adversário Romano Prodi. A questão é grave e não deixa a Itália respirar, suspensa nas questões que envolvem a vertigem da liderança. A polémica exigiu que o reputado jornal de direita Corriere dela Sera tirasse as medidas à crise. Enquanto o L’Osservatore Romano não se pronuncia, temos a verdade terrena. Contados os devidos centímetros, o jornal revelou que, de facto, Silvio Berlusconi mede menos quatro centímetros do que apregoa. Exagera na altura, e, mais grave, os seus um metro e sessenta e sete não alcançam – nem de perto, nem de longe – o metro e oitenta e três centímetros do candidato de centro esquerda, Walter Veltroni. Gastei 1544 caracteres a mais com esta história, ainda assim, muito menos do que aturam os italianos.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

29 respostas a O tamanho dos líderes (Meia Hora)

  1. deus nosso senhor seja louvado

  2. Nuno Ramos de Almeida diz:

    A que se deve a tua tardia conversão?

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Sim, 1.33 cm sem os saltos…

  4. Nuno Ramos de Almeida diz:

    eu, claro.

  5. hum, acho que estás a exagerar. o corriere é que não te apanha, senão havias de ver.

  6. Nuno Ramos de Almeida diz:

    Estás com a organização do jantar 5 dias em falta. Ainda arranjo forma de te mandar para o L’Osservatore Romano

  7. olha. eu até achava graça. desde que não me obrigassem a andar de rasos, claro.

  8. era mesmo rasos e não rastos, ouvisteS? ou ouvisteis (mais adequado ao osservatore).

  9. Calhando, Nuno, a f. está à espera da massa “contratualizada” com a rê-tê-pê para nos pagar a janta a todos.

  10. ná, ná. com essa verdadeira fortuna vou mas é viver para as bahamas. querem vir? eu pago.

  11. alexandra tavares teles diz:

    já acabaram? posso dizer qualquer coisinha?

  12. Claro, Alexandra, sempre.

  13. rantanplan diz:

    nada em especial… so queria saber quanto mede o Nuno com saltos.

  14. rantanplan diz:

    queres ver que saiu rantanplan??? É att.

  15. rantanplan diz:

    obrigadinha!!!

  16. Nuuuuuno (a ver se ele ouve)

  17. alexandra tavares-teles diz:

    obrigadinha, meninas!!!

  18. alexandra tavares-teles diz:

    lá vou ter que mudar de rantanplan para qualquer outra coisa

  19. jaime roriz diz:

    e a nova cicciolina? quanto mede a nova cicciolina? Isso é que são assuntos importantes! Eu quero uma cicciolina para Portugal!

  20. j diz:

    Por dois centímetro este homem pode ser polícia, onde a altura mínima exigida é de 1,60… sem o trupe dos saltos altos.
    Mas, mais grave, é que já foi primeiro-ministro e pode vir a ser de novo.

  21. j diz:

    Corrijo o meu comentário anterior, que tem gralhas:

    «Por dois centímetros, este homem podia ser polícia, profissão para cuja admissão se exige a altura mínima de 1,60… sem o truque dos saltos altos.
    Mas, mais grave, é que já foi primeiro-ministro e pode vir a ser de novo.»

    A culpa das gralhas é da Fernanda Câncio, que me “perturbou” com os “polícias extraordinariamente parvos”, cuja adjectivação devia ter usado também quanto aos “jornalistas extraordinariamente parvos” que nos impingem peças jornalísticas “extraordinariamente parvas”… ::))

  22. Algarviu diz:

    Meus caros, tamanho não é qualidade. Vejam o Nuno, que foi presidente da Câmara do Porto, ou o Gabriel, o gigante de Moçambique, que, apesar do seu mais que dois metros e meio, nem a presidente de junta chegou.
    PS. Não é despeito – sem saltos, tenho 1,86.

  23. j diz:

    Meu caro Algarviu,

    «…tenho 1,86», isto em 12 de Abril, ás 22:52.
    Mas, em 27 de Março, ás 2:02 (descontando o facto do relógio do 5Dias.net, na altura, andar marado) «…tenho quase dois metros».

    Ainda são 14 centímetros de diferença, ou você anda a minguar ::))

  24. Algarviu diz:

    Quase dois metros era com saltos:)))

  25. João Pestana diz:

    Não sei por que dão tanta importância à altura dos citados. Eu sei que as justificações deles também não ajudam muito. Contudo, se tomarmos por exemplo outros gajos baixos, tais como Chaplin e Onassis que tinham (ao que consta) umas enormíssimas “ferramentas” não deixou de ser, apesar de baixinhos, um handicap fortíssimo relativamente às mulheres. (das que gostam, como é evidente!).

    Quanto ao Sarkozy vamos ter de esperar pelo livro que um dia a Bruni trará à luz do dia para saber se ele é pequenino mas “bailarino”.

Os comentários estão fechados.