Teoria dos jogos

Vejam futebol, pequenos, vejam futebol! Olhem que não há mais metafísica no mundo senão futebol. Ontem, o Marcelino-sem-metafísica garantiu que a justiça tinha chegado ao mundo do futebol, dura e cega, cega e dura, e que ia doer a quem tivesse de doer. Afinal, o Porto pode perder seis pontos esta época (mas tem que chegue para ser campeão na mesma), o Leiria pode descer (mas já ia descer de qualquer maneira) e o Boavista idem idem (mas esse, com ou sem apito dourado, pode até fechar as portas, com os 80 milhões de passivo da era Loureiro). Justiça, diz ele: Marcelino, ex-recordista, sabe certamente do que fala. Anteontem, José Manuel Fernandes também se exercitou na arte do editorial. A história pungente de um homem punido profissionalmente pelas suas posições políticas. Algum delegado sindical lixado pelo patronato, alguém que falou mais alto e a quem não renovaram o contrato, alguma vítima indefesa da chantagem económica? Sim, António Borges, partner (acho eu) da Goldman Sachs, que Manuel Pinho terá emprateleirado porque disse qualquer coisa de que ele não gostou no Congresso do PSD. A história é foleira a todos os títulos, claro; mas o desvelo de José Manuel Fernandes pelos percalços dos poderosos ultrapassa tudo: his heart bleeds, e eu faço-lhe companhia.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 Responses to Teoria dos jogos

  1. Clepsydra diz:

    Dar voz a quem não tem voz e silenciar tudo o que deve permanecer oculto. Isto já não é defeito… é só para fazer feitio .

  2. Sergio diz:

    Pobre António Borges. Sempre pode formar um sindicato contra as arbitrariedades «patronais». Ou queixar-se a JMF… De qualquer forma deveria saber que a decisão do ministro que se trata de uma acção livre, logo legítima…

    Bom texto.

  3. Corrupção dá lugar a perda de 6 pontos. Erro administrativo ( culpa de quem? da FPF), perda também de 6 pontos! Situações comparáveis, claro.

Os comentários estão fechados.