Hooligans à solta

A má-educação, a pesporrência e o lambe-botismo ao Governo transformados em ponto de vista. Às 9 da manhã, este visionário já  sabia que a manifestação de hoje se iria resumir a um bando de “professores travestidos de operários da Lisnave, como aqueles que cercaram a Assembleia da República, nos anos idos de 1975, com os cabelos desalinhados, as senhoras a fazerem tristes figuras”.
Não sei se Emídio Rangel ainda não desistiu de abichar uma sinecura qualquer na RTP; mas sei que já me convenceu de que a luta dos professores até deve ter bastante razão. Falar de hooligans e de “soldados do PCP” neste contexto é fazer um eco antecipado e histérico da habitual lengalenga do boss. Um repositório agressivo de lugares comuns, insultos gratuitos e bílis interesseira. Isto à mistura com um panegírico desvairado da “ministra sábia, tranquila, dialogante”. Nem lido se acredita.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

16 Responses to Hooligans à solta

Os comentários estão fechados.