A política do medo

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a A política do medo

  1. ezequiel diz:

    no doubt caro Nuno.

    isto é jogar baixo, sobretudo porque a Sra Hillary está a usar o medo das pessoas…o medo do amedrontar é o que valida a bendita “experiência”! Será isto responsabilidade? Então a sra Clinton quer amedrontar o povo Americano?

    Além disso, é tragicamente estúpido porque contribui para a perpetuação do medo que os terroristas do 11 de setembro instalaram na psique colectiva Americana…é quase um golo na própria baliza… relembrar o medo terrorista como estratégia política ! minha nossa! 🙁 os Brits, que lidaram com o medo do terrorismo durante anos, sempre foram muito inteligentes: não transformavam a coisa em grande drama. E faziam muito bem: understatement. Apanharam com milhares de bombas nas trombas mas nunca vergaram.(não sou um perdigueiro anglófilo mas um gajo tem que ser honesto…)
    O sra Clinton optou pela política da histeria, da paranóia, do medo . Esta estratégia vai correr muito mal. Muito mal mesmo. Os americans estão muito atentos. Estão in sync. Muitos vão perceber a intenção desta manobra… e não vão gostar nadinha. E demonstra desespero, claro.

    E, no fim, até parece que não foi a Hillary que fez o video. Como se o video tivesse sido feito por fervorosos apoiantes, por voluntários a trabalhar de graça …e quando está quase a acabar…She “approves this message.” uau. Very Presidential indeed. (she approves this message, a message that is not “hers”.. the approving creates a distance of near-impartiality…..I agree with the message- it is a message that came from below..a truthful description that is approved…she recognises the message as something distinct…as an objective truth!) Dá voltas ao miolo. Isto é quase ciência cognitiva aplicada. Bolas.

    enquanto os americanos (desde os cidadãos à classe política, enfim…trata-se de uma responsabilidade social) reiteraram continuamente o medo…pior será! Não faz sentido. É um absurdo. É uma estupidez a todos os níveis. Isto, de uma candidata à presidência do país mais poderoso do mundo…noops, dont like it! Espero que o Obama ganhe o Texas (pouco provável)…mantenha a liderança! Ele tem que chegar à Presidência. Tem mesmo. Não pode ser o outro ou a outra. Não deve ser fácil combater isto. Só espero que todos os activistas que apoiam Obama consigam fazer o que deve ser feito. Nem tocar no medo. Mas podem interpretar e criticar o seu USO. A campanha começou. Acham, sinceramente, que as pessoas gostam de ser lembradas dos seus medos? Estes estrategas de meia tigela não percebem que as pessoas preferem a coragem em situações de crise e que não gostam de histerias. Não percebem que o medo tem um efeito de fragmentação incalculável, que mina o que há de mais elementar em qualquer sociedade: corroi os laços de afectividade que são a base de quase tudo.(ou de tudo, sei lá) Tudo pode ser corroido pelo medo. E, não raras vezes, o medo participou nos mais variados totalitarismos. Como é possível que isto aconteça? Tá tudo maluco. Laing escreveu que “num mundo de loucos…”

  2. João diz:

    Vai mas é emborcar 4 garrafas de vinho, enquanto te ris sozinho das tuas próprias piadas políticas.
    Ele há cada anormal!

  3. Nuno Ramos de Almeida diz:

    João,
    Tens razão: foi muito triste. Como desculpa tenho o facto de há 5 programas falarem de vinho…fiquei embriagado pelo éter.

  4. Nuno Costa diz:

    Se por um acaso a Hillary ganhar a nomeação democrata este é um bom clip para a campanha de John MacCain passar continuamente…

  5. Pingback: cinco dias » Response to Hillary Red Phone Moment

Os comentários estão fechados.