Quinta linha

Agora fui eu, que fui apanhado na misteriosa cadeia humana que manda vítimas inocentes abrirem livros à sua escolha na página 161 e ler a respectiva quinta linha. Desta vez, o mandante foi o Pedro Sales do Zero de Conduta e eu vou obedecer prontamente, para não desafiar os deuses, que, sei lá, ainda eram capazes de mandar acabar com o bacalhau à braz que “O Andaluz” serve às quintas-feiras (ou será às quartas?) e obrigar-me a fazer dieta (a vision of disaster, if I may say).

Peguei então n’”Os Maias” (edição lá de casa), abri na página 161 e encontrei isto na quinta linha e arredores: “O marquês carambolara, ganhando a partida, e triunfava também: -Você trouxe-me a sorte, Carlos!” (NB: a quinta linha propriamente dita está devidamente assinalada a bold, o resto é só para contextualizar).

A chatice agora é que eu tenho de indicar cinco bloggers para continuar a cadeia e eu, a bem dizer, só conheço quatro, que fazem comigo o “Cinco Dias” (eu sei que é um bocadinho anti-social, mas ele há vida para além dos blogues, e eu faço uma data de outras coisas na vida, que não vos conto para não ficarem mal impressionados). Assim sendo, escolho os seguintes desconhecidos:

– A Diana Ralha, do “(T)ralha“, que eu não conheço apesar de trabalharmos juntos (olá Diana) para o mesmo patrão;
– O Pedro Ferreira, do “Puxa Palavra“, que eu não conheço apesar de conhecê-lo há vinte e tal anos, e de gostar imenso dele, e da mulher dele, e dos filhos dele, e de ser o meu Embaixador em Paris;
– A Cláudia Silva, do “Blue Molleskin“, que eu também não conheço apesar de ela ser uma excelente anfitriã e de eu passar em casa dela e do Pedro uns fins de semana óptimos que me reconciliam com a pátria;
– O Ivan Nunes, do “ex-Ivan Nunes“, que eu não conheço apesar de me ter cruzado com ele no Maxime há meia-dúzia de dias;
– O André Silva, do “Ponta Seca“, que eu não conheço de Campo de Ourique, nem do Pedro Nunes, nem de todos os carnavais em que andamos metidos juntos desde há alguns trinta anos, e que tem um blogue que não é bem um blogue, mas que é bom de conhecer.

A todos as minhas desculpas.

Sobre António Figueira

SEXTA | António Figueira
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

24 Responses to Quinta linha

Os comentários estão fechados.